domingo, 6 de maio de 2012

ITÁLIA 5 - VENETO: PÁDUA E VERONA

A Região de Vêneto oferece a oportunidade de conhecer as encantadoras e famosas cidades de Pádua (Padova) e Verona, bem próximas de Veneza, a capital regional – objeto das postagens Italia 1 e Itália 3, deste Blog.
Foto 1 – Arena Romana, do século 1 em Verona, palco de um dos melhores festivais de ópera da Europa.



Foto 2 – A basílica de Santo Antônio, em Pádua, um dos maiores centros de peregrinação da Itália.
<><><>


Vêneto, na região nordeste da Itália, possui uma área de mais de 18 mil km2 (oitava maior região em tamanho da Itália) e uma população de aproximadamente 5 milhões de pessoas (quinta região mais populosa da Itália) distribuída em 6 províncias. Se você quiser saber mais sobre esta região da Itália, acesse o site oficial: http://www.regione.veneto.it/Channels/.

As três maiores províncias de Veneto são: Veneza, Verona e Pádua.

A história de ocupação da região tem origens na pré-história, fez parte do Império Romano no século I.  Conta-se que Antenore, guerreiro romano, fundou Patavium, conforme está citado na Eneida, célebre poema épico escrito por Virgílio, no século I a.C. Com a queda do Império, Pádua foi invadida pelos povos chamados bárbaros (640 D.C), do qual faziam parte os Lombardos que dominaram a Região. Entre o século 6 e 7, Veneza tornava-se uma potência marítima formalmente ligada ao Império Bizantino.

Foto 3 –Monumento ao mítico fundador de Patavium - Antenore (tumba de Antenore). Sarcófago do século 4, com vestígios encontrados em 1274.

Como parte do Reino Lombardo-Veneto, a Região fez parte durante 60 anos do Imperio austríaco e depois ficou sob o domínio de Napoleão. A história da Região é atribulada e cheia de disputas externas e internas. Os venezianos ocuparam Pádua e entorno desde 1405. Durante um longo período Padua e Verona foram rivais.

Além de possuir uma forte atividade agrícola e industrial, especialmente, alimentícia, vinícola e de moda, Vêneto é a primeira região turística da Itália com cerca de 60 milhões de visitantes por ano.


Foto 4 – Cultura e entretenimento fazem parte deste conjunto que abriga o Museo Risorgimento e um Café de mais de 200 anos, em Pádua.


PADUA (PADOVA)

Pádua estende-se por uma área de 92 km2 e possui um pouco mais de 200 mil habitantes na cidade e quase 450 mil na sua área metropolitana. Hoje, é um dos polos econômicos mais importantes do norte da Itália e um dos maiores centros de transporte intermodal da Europa.

Para os brasileiros e grande parte dos católicos romanos, Pádua é famosa por ser o lugar onde o milagroso Santo Antônio de Pádua (1195-1231) viveu e foi sepultado. Em Lisboa, o Santo é chamado Santo Antônio de Lisboa, por ser o lugar onde ele nasceu. Apesar da forte influência portuguesa, os brasileiros adotaram o nome de Santo Antônio de Pádua. A pessoa que escreve este blog,  tem o nome de Antonia, porque nasceu no mesmo dia de celebração do Santo, dia 13 de junho. Vocês já estão pensando no principal motivo da minha visita à Pádua?


Foto 5 – Receba as Boas Vindas de Santo Antônio, que viveu e foi sepultado em Pádua.

Além de ser um lugar de peregrinação, um dos mais  populares e visitados do mundo, Pádua tem atrações que encantarão você. Vou tentar selecionar algumas das principais razões de visitá-la.



COMO CHEGAR E SE ORIENTAR?


Foto 6 - O mapa de Pádua, nas ruas, ajuda os visitantes a se orientarem na cidade.

Pádua fica a apenas 37 km de Veneza. Pegue o trem regional na Estação Central de Veneza, que parte a cada 20 minutos, e em apenas 45 minutos você estará chegando na Piazza della Stazione, em Pádua.

A cidade e sua região possui um eficiente sistema de transporte publico. Para conhecer sobre o assunto consultar: http://www.tramdipadova.it/


Foto 7 - Pádua e região possuem um sistema de transporte eficiente e moderno.

Da Estação, siga em linha reta, pelo corredor formado pelas vias: Corso del Popolo e sua continuação Corso Garibaldi, até chegar ao Centro Histórico e depois à grande área denominada Prato della Valle. Daí, entre na via Belludi até a Piazza del Santo. Ao longo deste percurso e entorno estão as principais atrações de Pádua. São cerca de 2 km de caminhada.

Ao longo da Via VIII Febbraio você vislumbra um ambiente aconchegante, cheio de arcadas e edifícios harmoniosos.


Foto 8 – Perspectiva da Via VIII Febbraio 1, Pádua.
Foto 9 - Perspectiva da Via VIII Febbraio 2, Pádua.
Foto 10 - Perspectiva da Via VIII Febbraio 3, Pádua.

Há 3 Centros de Informações Turísticas na cidade : Estação de Trem, Galleria Pedrocchi e na Piazza del Santo.

Para consultar informações sobre o turismo em Páduano site oficial:

O site oficial da cidade de Pádua: http://www.padovanet.it/index.jsp

Outro site importante: http://www.padua.org/padua/

HISTÓRIA

Pádua possui umas das mais antigas universidades do mundo (1222), a terceira na Itália e sétima no mundo, anterior a de Bologna. Este centro de ensino atraiu pensadores e artistas famosos para a cidade como Giotto, Mantegna e Donatello. A lista de professores e alunos ilustres é longa. Galileu foi professor de matemática em Pádua. Entre os tesouros de Pádua destaca-se a obra prima de Giotto – a Cappela degli Scrovegni e seus afrescos, artista que influenciou Leonardo Da Vinci. Lembra de outras obras de Giotto em Florença? O campanário da basílica Santa Maria di Fiore e os afrescos da igreja de Santa Croce.

Foto 11 - Tumba relacionada ao passado romano em Pádua, na Piazza Antenore.
Pádua é tambem o local de nascimento do arquiteto Andrea Palladio que projetou e construiu (no século 16) as renomadas casas de campo no século 16 (villas) na área rural de Pádua, Veneza, Vicenza e Treviso, imitadas em todo o mundo. O trabalho de Palladio em Vicenza é considerado patrimônio da humanidade pela UNESCO.

PRINCIPAIS ATRAÇÕES


Pádua é uma cidade de avenidas largas, com praças medievais no seu centro histórico e exemplares de arquitetura do período fascista. O centro é compacto, delimitado por muralha e por um canal em sua maior parte.
Foto 13 - Perspectiva de Pádua 1
Foto 14 - Perspectiva de Pádua 2
Foto 15 - Perspectiva de Pádua 3

1 - NO CONJUNTO DA ARENA ROMANA/PIAZZA EREMITANI

Ao atravessar o canal, logo após a ponte, à esquerda está a Arena Romana, com a Cappella degli Scrovegni.

A Capela Scrovegni – contem os magníficos afrescos de Giotto (1303 – 1310), que foi pioneiro e revolucionário, na arte de representar figuras bíblicas de forma natural e humana, antecipando em mais de 200 anos o renascimento em Pádua. Os afrescos da capela são considerados os mais belos do mundo

A entrada é muito restrita, portanto não faça como eu que não reservei com antecedência e não pude ver o extraordinário trabalho desse artista.

Para ter uma idéia da beleza dos afrescos considerados os mais importantes do mundo e fazer a sua reserva acesse: http://www.cappelladegliscrovegni.it/eng/index_e.htm

Sugiro assistir este vídeo sobre a Capela:
http://www.youtube.com/watch?v=575DZ8XIpZI&feature=player_embedded#


Este outro vídeo é sobre a obra de Giotto:
http://www.youtube.com/watch?v=EAvy4w9YVpU&feature=related



Palazzo Zuckermann

Este belíssimo palácio abriga hoje um museu de artes decorativas e mantém uma coleção importante de moedas antigas, armas e medalhas.

Foto 16 - Palazzo Zuckermann tem uma importante coleção de antigos artefatos: moedas, armas e medalhas.

Chiesa degli Eremitani

Esta igreja do século 13, possuía os extraordinários afrescos de Mangegna quando foi bombardeada em 1944, uma perda inestimável para a história da arte universal. A capela Ovelari, parte do conjunto foi objeto de um trabalho minucioso de reconstrução por mais de  meio século. A igreja constitui-se em um dos maiores símbolos da cidade e possui formas românicas e góticas. Contém as tumbas de Jacopo (1324) and Ubertinello Carrara (1345), os poderosos senhores de Pádua.

O Musei Civici agli Eremitani, antigo monastério, abriga relíqias da história pré-romana de Pádua e obras de artistas venezianos como Bellini, Canova, Giotto.


2 - NO CONJUNTO CENTRO HISTÓRICO

Palazzo del Bò - Sede da Universidade (1493), fica próximo do Centro Histórico, na Via VIII Febraio. O antigo “studium” (1222) caracterizou-se pelos estudos de medicina, filosofia, gramática e leis.
Foto 17 – Palácio Bò, sede da Universidade (1493).

Na Pádua antiga você pode conhecer um conjunto de praças encantadoras e seus monumentos: Piazza delle Erbe (Pallazo della Ragione, 1218), Piazza della Frutta e Piazza del Duomo (Catedral e o batistério, em estilo romanesco, do século 13).

Palácio della Ragione é o tribunal da cidade, construído em 1218. Destaca-se pela sua arquitetura, por possuir uma imensa estrutura suspensa e por seu salão principal com afrescos de temas astrológicos.

O edifício do Caffé Pedrocchi foi construído em 1831 pelo arquiteto Giuseppe Jappelli.O seu estilo é neoclássico com influência egípcia. Ele abriga o Museo Risorgimento e um Café que funciona por duzentos anos. Experimente os coquetéis de café que atraíram nomes ilustres da sociedade local. Veja a página do Caffé Pedrocchi: http://www.caffepedrocchi.it/

Foto 18 – Caffé Pedrocchi, um Café com mais de 200 anos, em Pádua (1831). Recomendo uma pausa para saborear este café histórico.


3 - NA PIAZZA DEL SANTO

Um pouco da vida de Santo Antonio de Pádua

Foto 19 – Milhões de pessoas, que visitam Pádua, recorrem a Santo Antônio, considerado pelo povo como Protetor dos Pobres, por sua dedicação aos mais humildes.

A fama de santidade de Santo Antônio (1191 – 1232) resultou na sua canonização pela Igreja Católica pouco depois de falecer. Foi orador brilhante e é considerado como um dos santos mais milagrosos da Igreja Católica.  Santo Antônio foi considerado um dos intelectuais mais notáveis de Portugal pois tinha grande cultura.  Tornou-se uma das mais respeitadas figuras da Igreja Católica de seu tempo devido ao seu grande saber. Foi o primeiro Doutor da ordem religiosa dos franciscanos na Igreja Católica. Sempre foi procurado para conselhos, inclusive por São Francisco de Assis.

Foto 20 – O Caminho de Santo Antônio se inicia aqui, em Pádua.

Santo Antônio, muito venerado em Lisboa, é o padroeiro de Portugal. No Brasil, sua popularidade é imbatível por sua fama de milagroso. É um dos santos mais prestigiados nas popularíssimas “festas juninas” no nordeste do Brasil (que acontecem em junho), onde vários costumes folclóricos estão ligados ao Santo. Por sua dedicação aos mais humildes, Santo Antônio foi considerado como Protetor dos Pobres pelo povo. Ele tem sido invocado para conseguir casamento, achar coisas perdidas, engravidar, etc.

Conheça fatos extraordinários da vida de Santo Antonio no seu portal mundial, em várias línguas:
http://www.saintanthonyofpadua.net/portale/home.asp

Se você quiser fazer um pedido a Santo Antônio, escreva uma carta para ele agora. Ela será colocada junto do túmulo de Santo Antônio: http://www.dearsaintanthony.org/por/home.asp

O Conjunto da “Praça do Santo” como é localmente chamada (Il Santo) compreende: a Basílica,  o Oratório di San Giorgio e a Scoletta del Santo.

Foto 21 – Chegando a Basílica de Santo Antônio, a partir da praça Prato Della Valle.


Basilica Di Sant’Antonio

Conhecida localmente como Il Santo, foi construída entre 1232 e 1394. A tradição afirma que ela foi projetada por Nicola Pisano. A basílica possui estilo românico/gótico com detalhes islâmicos/bizantinos. Abriga obras de arte de Donatello, Sansovino e Falconeto. O local é destino de numerosas visitas por abrigar o túmulo e conter as relíquias de S. Antônio

Para saber mais sobre a basílica,  consultar o site (opções em várias línguas):
http://www.basilicadelsanto.org/ing/home.asp


Foto 22 – As minhas companheiras de viagem, em frente a Basílica de Santo Antônio de Pádua.
Faça uma visita virtual na basílica: http://www.basilicadelsanto.org/ing/visita/visita.asp

Outros atrativos muito próximos da basílica são: Oratório di San Giorgio (Século 13) com os afrescos de Altichiero e a Escoletta del Santo (século 16) com os afrescos de Tiziano.

A praça é coroada pela extraordinária escultura equestre de Donatello (1453), retratando o general Gattamelata (Erasmo da Narni). Considera-se que ela foi inspirada na escultura de Marcos Aurélio existente na “Capitoline Hill” em Roma.

Foto 23 - O general Gattamelata, retratado por Donatello (1453).


4 - NO CONJUNTO PRATO DELLA VALLE E ENTORNO

A praça PRATO DELLA VALLE é um dos mais conhecidos símbolos de Pádua. É considerada uma das maiores praças da Europa, com cerca de 90 mil metros quadrados. Foi projetada por Andrea Memmo, no século 18.
Foto 24 - Paisagem da grandiosa Piazza Prato Della Valle, com mais de 90 mil metros quadrados, um dos mais conhecidos símbolos de Pádua.

A praça tem formato de uma elipse, com um jardim central cercado por uma vala, que é margeada por 78 estátuas representativas de cidadãos famosos de Pádua. O famoso escultor Antonio Canova produziu um dos seus primeiros trabalhos para esta praça.

Foto 25 – 78 cidadãos famosos de Pádua são homenageados nesta Piazza Prato Della Valle, com esculturas de Antonio Canova

Foto 26 – Pontes, esculturas, valas e uma ilha central fazem parte do ambiente harmonioso desta Praça. A praia de Pádua?

Horto Botânico

Fundado em 1545, o Horto Botânico de Pádua era ligado a faculdade de Medicina. Este jardim botânico universitário, mais antigo do mundo, é considerado patrimônio mundial da UNESCO. Horto possui uma importante coleção de plantas raras.

Basílica di Santa Giustina
Foto 27 – A imponente basílica de Santa Giustina, de aparência medieval, abriga tumbas de diversos santos, incluindo a de Santa Giustina.
A igreja e o monastério foi fundado no século 5, lugar da tumba da Santa Giustina di Padua. Tornou-se um dos mais importantes monastérios no século 15. A Igreja impressiona pelo seu tamanho e simplicidade. No interior encontram-se as tumbas de diversos santos: S. Giustina, S. Prosdocimus, S. Maximus, S. Urius, S. Felicita, S. Julianus além das relíquias do apóstolo S. Matias e do evangelista São Lucas. Veja também a obra de Paolo Veronese: O Martírio de Santa Giustina.

Foto 28 – Representações de monstros medievais guardam a Basílica de Santa Giustina.



VERONA

Verona, mereceria o título de “Cidade do Amor” ou “Cidade dos Namorados”, em homenagem a história imortal da impossível e trágica história de amor entre os jovens Romeu (Romeo Montecchi) e Julieta (Giulietta Capuleti), cujas famílias eram inimigas. O célebre romance foi criado pelo famoso escritor inglês Shakespeare e ambientada em Verona.
Foto 29 - O imortal balcão onde Julieta se debruçava para escutar as juras de amor de Romeu

There is no world without Verona walls...
Heaven is here, where Juliet lives.
Shakespeare

A cidade, na região norte da Itália, pode ser considerada o Portão de Entrada para os que vem da Europa Central e do Norte.

Com quase 260 mil habitantes, Verona é uma cidade de cultura e um antigo centro universitário, onde seus edifícios e muralhas atestam mais de dois mil anos de história. A temporada de ópera é a mais conhecida e popular, parte de um dos melhores festivais líricos do mundo. O festival é realizado em um ambiente de imcomparável beleza -  uma arena romana, do século 1, iluminada por milhares de luzes. Uma experiência inesquecível e emocionante.

Foto 30 – Arena Romana, do século 1, local de um dos mais famosos festivais de ópera do mundo.

A lenda conta que Verona foi fundada pelos celtas. Na realidade, ela foi uma colônia romana em 89 a.C., com o nome de Augusta. Era a cidade preferida de Júlio César – grande general do Império Romano - para relaxar. Foi capital de ducados durante o Reino Lombardo e em 145 foi uma colônia de monges da ordem religiosa dos benedetinos. Verona permaneceu sobre o domínio veneziano por mais de 3 séculos (1405-1796).


Durante os séculos 13 e 14 Verona foi governada pelo grande e poderoso Senhor Della Scalla, da família Scaligeri, que inspirou a tragédia de Shakeaspeare.


A cidade foi considerada patrimônio da humanidade pela UNESCO por sua estrutura urbana e arquitetura. Segundo o parecer de técnicos, Verona é um exemplo maravilhoso de cidade que se desenvolveu progressivamente e sem interrupções durante dois mil anos, integrando elementos artísticos de alta qualidade dos diversos períodos. Também, representa, de maneira excepcional, o conceito de uma cidade fortificada em períodos determinantes da historia européia.

COMO CHEGAR E SE ORIENTAR EM VERONA?


Verona é servida por rotas internacionais, regionais e locais. Entre Milão e Veneza, a cidade é ponto de passagem. Também faz parte da rota de Roma, para muitas cidades da Europa.

A principal estação ferroviária é Verona Porta Nuova, ao sul do centro da cidade. Ela é considerada a nona estação mais movimentada da Itália e recebe cerca de 25 milhões de passageiros por ano. Da estação central de Veneza são cerca de 3 horas de viagem e de Florença são cerca de 3 horas e meia.


Existe dois centros de informação turística na cidade: na Piazza Brà e na Estação de Trem.


Para planejar sua viagem você pode visitar o site oficial de turismo de Verona: http://www.verona.net/


Foto 31 - O Rio Adije e a colina onde está situado o teatro romano – vista da Ponte de Pietra.

Descobri um site interessante por proporcionar uma visão em 360 graus de alguns monumentos importantes de Verona. Clique nos monumentos em “Virtual travel to Verona Italy” e aprecie: a casa e balcão de julieta, a arena romana,  o castelo castelvecchio, a ponte do castelvecchio e o duomo de Verona.

http://www.italyguides.it/us/italy/veneto/verona/verona.htm



Apresento o percurso de apenas algumas horas em Verona, mas que cobre boa parte dos principais monumentos de Verona:

 A
nfiteatro Romana na Piazza Bra, Via Mazinni, Via Capello (Casa de Julieta), Piazza delle Herbe (Palazzo della Ragione, Torre dei Lamberti e del Gardello), Piazza dei Signori (Palazzo del Capitanio, Palazzo della Prefettura – Loggia del Consiglio), Corso Santa Anastasia, Piazza Santa Anastasia (Chiesa Sant’Anastasia), seguindo em direção ao rio Adige, Via Sottoriva,  Piazza Bra Molinari, Via Ponte Pietra (Ponte Pietra, do outro lado o Teatro Romano), Piazza Duomo (Igreja San Giovanni in Fonte – Sant’Elena).

Foto 32 - Torre dei Lamberti, de 1172, em Verona. Observe a esquerda a passagem que conduz ao centro histórico administrativo de Verona.

SOBRE OS MELHORES VINHOS DE VERONA


Em Verona degustamos alguns dos melhores vinhos de Vêneto, em um acolhedor bar denominado: DI VINO, na rua Albere, 132, próximo a Piazza Duomo. A simpática proprietária Viviana nos serviu os deliciosos vinhos da terra: Soave B, Lugana B, Valpo Ripasso, Bardolino. Também experimentamos alguns petiscos deliciosos e o famoso coquetel Spritz (o meu drinque italiano favorito), cuja receita ela gentilmente nos ofereceu. Quer experimentar? Aperol, vinho branco, suco de laranja, água mineral com gás e rodelas de laranja para decorar. Em Veneza, experimentamos o spritz com o Prosecco – vinho espumante local. Você pode também substituir a água por soda limonada.

PRINCIPAIS ATRATIVOS

Verona preserva vários vestígios do seu rico passado: monumentos da antiguidade romana, do período medieval e do período renascentista. Um terremoto destruiu gravemente a cidade em 1117, o que levou a uma reconstrução massiva em estilo romanesco.

Foto 33 - A Ponte di Piedra, sobre o rio Adige, uma das mais belas de Verona, liga o Centro Histórico ao Teatro Romano.



1 - OS MONUMENTOS DA VERONA ROMANA

Incluem alguns marcos históricos como o Teatro Romano, a Arena Romana e a Ponte de Pedra (Ponte di Pietra).

Teatro Romano (construído no Século 1 a.C) está localizado no alto da colina. A perspectiva vista da Ponte di Pietra é belíssima. Para informações sobre este monumento e a programação dos eventos consultar: http://www.estateteatraleveronese.it/nqcontent.cfm?a_id=11336

Foto 34 - Vista da Colina onde está situado o Teatro Romano, em Verona.

A Arena Romana é famosa por seu grandioso anfiteatro romano. Foi concluída no século 1. É o terceiro maior anfiteatro na Itália, depois do Colosseum em Roma e da Arena de Capua. Tem capacidade para cerca de 25 mil expectadores sentados. É neste local que acontece o famoso Festival Lirico, em sua 89 edição em 2011.

 Foto 35 – A magnífica Arena Romana do século 1, com capacidade para 25 mil expectadores sentados.

Para informações sobre o anfiteatro e espetáculos ver: http://www.arena.it/

Outros monumentos de origem romana em Verona são os famosos arcos. O Arco dei Gavi, que dá acesso ao Corso Cavour. Originalmente do século 1, ele foi reconstruído. A Porta Borsari (ao norte da Arena), com fachada do século 3, fazia parte das muralhas romanas. A inscrição na Porta deu o nome à cidade: Colonia Verona Augusta. A Porta Leoni, também fazia parte dos portões da cidade romana, do século 1 A.C.

Foto 36 – Verona é uma cidade de muitos arcos, herança da civilização romana.


2 - A ARQUITETURA DA VERONA MEDIEVAL E RENASCENTISTA



Basilica di San Zeno Maggiore, considerada um dos grandes exemplares da arquitetura romanesca. Foi construída ente 1123 e 1135 e dedicada ao santo patrono de Verona. A fachada domina a praça e possui uma elegante torre de cerca de 72 metros, mencionada por Dante na Divina Comédia.

Duomo – San Giovanni in Fonte – Sant’Elena
A Catedral de Verona localiza-se na Piazza Duomo. Ela foi consagrada em 1187. A sua fachada mostra uma combinação harmoniosa dos estilos gótico e romanesco. Ao lado da catedral, encontram-se as pequenas igrejas de San Giovanni in Fonte e Sant’Elena.

Foto 37 – A magnífica catedral de Verona na Piazza Duomo (1187).
Foto 38 – Outra detalhe da catedral de Verona: diferentes planos de sua excepcional fachada.

Chiesa di Sant’ Anastasia - Em estilo gótico, teve sua construção iniciada em 1290 pelos dominicanos. Abriga o famoso afresco de Pisanello: São Jorge e a Princesa.

Foto 39 – Igreja de Sant’Anastasia em Verona, em estilo gótico.
 Foto 40 – Detalhes da Igreja de Sant’Anastasia em Verona.
Casa de Julieta (Casa di Giulietta)

No centro da Cidade, na via Capello, está a pretensa casa de Julieta com o famoso balcão, local onde Romeu e Julieta trocaram juras de amor eterno. A casa é um grande marco da cidade, que recebe a fama de cidade dos namorados, atraindo numerosos turistas todos os anos.

Foto 41 - A fachada da casa de Julieta, que atrai muitos turistas todos os anos.
Foto 42 - O pátio interno da casa de Julieta, sempre cheio de turistas.


Foto 43 - Turista toca o seio direito de Julieta na esperança de encontrar o amor verdadeiro.

Confesso que me senti constrangida pela qualidade duvidosa da reconstituição e exposição da Casa Museu de Julieta e pelo comportamento dos muitos turistas que disputavam o lugar na fila para tocar o seio direito de Julieta e conseguirem encontrar o verdadeiro amor (superstição local). Fui atraída para este local porque assisti o belísssimo filme: Cartas para Julieta (Letters to Juliet – 2010), dirigido por Gary Winick. O filme retrata a história de Sophie, uma garota americana que vai passar as férias na Itália e encontra uma carta antiga não respondida por Julieta (a amante de Verona), dentre as milhares de longas cartas que, normalmente, são respondidas pelas “secretárias” de Julieta. Após 50 anos, Sophie responde, fazendo com que a autora da carta vá até a Itália atrás do seu grande amor por acreditar nas palavras da garota: “Nunca é tarde demais para o amor”.
Procurei me informar e verifiquei que “secretárias”existem de fato e fazem parte do “Clube di Giulieta” que promove a lenda dos amantes de Verona e são pagas pela Prefeitura. São mais de 5 mil cartas recebidas e respondidas por ano. Fiquei sensibilizada pelo papel desse grupo de senhoras de Verona que transformam vidas, como aquelas retratadas no filme.
Veja o trailler do filme em: http://www.julietclub.com/index_en.asp

Um conjunto de duas praças extraordinárias interligadas: Piazza delle Herbe e a Piazza dei Signori constitui-se no coração de Verona, simbolizado pelos monumentos históricos e palácios suntuosos.

Foto 44 - Piazza delle Herbe, o coração histórico da Cidade. Observe a Torre dei Lamberti, construída em 1172 e restaurada em 1464.

Foto 45 - Case Mazzanti é o palácio mais antigo de Verona, em estilo renascentista e fachada decorada por afrescos de temas mitológicos.

Na Piazza delle Herbe acontece a feira local e estão situadas: Torre del Gardello, Fontana di Madonna Verona (no centro da Piazza), Domus Mercatorum, Case Mazzanti, Palazzo Maffei e a casa de Romeu (na via Arche Scaligere). Confesso que não visitei a casa de Romeu, pouco divulgada.

Foto 46 - Palazzo Maffei (século 15), magnífico palácio em estilo barroco, ao norte da Piazza delle Herbe, é coroado por 6 divindades romanas.

Foto 47 - A Fonte da Madonna Verona (1383) na Piazza delle Herbe.
Você pode chegar à Piazza dei Signori , conhecida como a Piazza di Dante, através do Arco della Costa, onde estão o Palazzo del Consiglio, o  Palazzo degli Scaligeri e o Palazzo del Capitano.  No centro da praça está a estátua de Dante.
Foto 48 - Piazza del Signori, visitada por Dante em duas ocasiões como hóspede dos Scaligeri.

Foto 49 - Palazzo degli Scaligeri – a antiga sede da família Della Scala, os senhores de Verona, hoje abriga os escritórios da Prefeitura.
Foto 50 – Na Piazza dei Signori a estátua de Dante domina este aconchegante espaço. À esquerda está a Loggia del Consiglio (1493), sede do Conselho da Província.
Foto 51 - O Palazzo Domus Nova era denominado Palazzo dei Giudici nos tempos venezianos. Foi uma reconstrução do edifício de Veronese (1659).

Um pouco mais afastado das duas praças estão o Castelvecchio com o seu museu cívico e a ponte do mesmo nome (1354).



CONCLUSÃO

O roteiro aqui apresentado abrangeu dois lugares de forte ligação sentimental. No caso de Pádua, a relação é mais pessoal e religiosa devido, em parte, às celebrações e festas juninas que povoaram a minha infância, e homenageavam Santo Antônio, no dia 13 de junho. Acredito que o Santo me protege e acompanha nestas viagens que faço pelo mundo e posso falar em algumas evidências (encontros?).  Por exemplo,  era comum encontrar imagens e igrejas dedicadas a Santo Antônio, sem nenhum conhecimento ou intenção prévia de visitá-las em vários países e cidades do mundo. Em Oxford (Inglaterra), por “coincidência” morei muito próximo à igreja de Santo Antônio e, por diversas vezes, era convidada a frequentar igrejas que tinham relação com o Santo.

Verona sempre permaneceu na minha memória como uma cidade romântica e encantadora. Esta cidade fazia parte de um lugar imaginário, cenário do famoso romance – Romeu e Julieta - que li por dezenas de vezes.

Enfim, realizei dois sonhos ao visitar essas Pádua e Verona!

Esta postagem encerra o ciclo de viagens de 2011. Em mais alguns dias estarei de partida para descobrir outros lugares.

Tudo já está planejado para as minhas férias de 2012. Desta vez, viajo para conhecer lugares do “Novo Continente”, parte do Canadá e norte dos Estados Unidos da América.

A você que viajará de férias neste período de maio, junho e julho, desejo uma excelente viagem!

Até a volta!

Santamaria

4 comentários:

  1. eu que ando por estes lugares...muito bom.

    ResponderExcluir
  2. muito bom seu post. parabens! estou aprendendo com ele, ja que tambem vou escreevr sobre meu passeio por Padova. beijos

    ResponderExcluir
  3. Sugiroq ue coloque um widget ali do lado com a possibilidade de assinarmos e receber os posts por email. tem dentro do blogger. beijos (eu gostaria de assinar)

    ResponderExcluir
  4. Estou pesquisando sobre cidades próximas a Veneza e achei o seu blog, adorei ! É super bem escrito e organizado, além das fotos lindíssimas, parabéns e obrigada !

    ResponderExcluir