domingo, 28 de agosto de 2016

DINAMARCA 1 - COPENHAGUE 1


Apresento a vocês um novo e fascinante roteiro pela Escandinávia, uma terra de mitos e lendas fantásticas na região mais ao norte do planeta, próximo ao polo ártico, que inclui os países nórdicos da Dinamarca, Noruega e Suécia e suas capitais, Copenhague, Oslo e Estocolmo, respectivamente.

Esta etapa de viagem incluirá 3 (três) postagens:

DINAMARCA 1 – COPENHAGUE 1
NORUEGA 1 – OSLO 1
SUÉCIA 1 – ESTOCOLMO 1

Foto 1 – Copenhague, a capital da Dinamarca vista do alto da Igreja de Nosso Salvador: A água formou e marcou a paisagem histórica de canais e vistas para a água.


1  - A ESCANDINÁVIA

Lá ao norte, onde a Europa encontra o gelo ártico, os povos da Escandinávia chamados Vikings navegaram em seus barcos para conquistar terras distantes e foram os primeiros exploradores.

Mas nem só como exploradores, destacaram-se os povos nórdicos, eles conquistaram o mundo pela arte, pelo design e pelo trabalho humanitário. Vejam as obras do grande arquiteto Alvar Aalto, as encantadoras histórias infantis de Hans Christian Andersen e o legado humanitário de Alfred Nobel para as ciências, paz e para o desenvolvimento humano.


Foto 2 - Entre no Barco e vamos olhar a paisagem vista das águas, a partir de agora.

Lembro de alguns dos presentes que os pacíficos habitantes dos países nórdicos deram ao mundo: Pequena Sereia e o Soldadinho de Chumbo, os tijolinhos coloridos do Lego, os jogos do Angry Birds e o processamento do peixe abundante em suas costas, cujo método de salgar e secar levou a uma revolução na alimentação – o delicioso bacalhau.

Palavras de origem escandinava já fazem parte de nosso vocabulário como fiorde, gêiser, esqui, ombudsman...

Nesses novos tempos, estes povos, mais uma vez tem surpreendido o mundo com avanços na área do desenvolvimento sustentável, na qualidade dos seus espaços urbanos e na conservação ambiental. Uma grande fonte de inspiração na busca por uma melhor qualidade de vida.


 
Foto 3 - O novo porto de Nyhavn (Século 17), nem tão novo assim, que impulsionou o desenvolvimento de Copenhague.


2 - ALGUMAS INFORMAÇÕES BÁSICAS

A Escandinávia é uma região ao norte da Europa, entre o Mar Báltico e o Mar do Norte. É a maior região da Europa, com 1,2 milhão de m2, e com 24 milhões de habitantes, que corresponde a 4% da população do continente.

Tradicionalmente, a Escandinávia é conhecida como a região de 3 países que são a Noruega, Suécia e Dinamarca, que compartilham  afinidades na sua origem, história, politica e cultura. Já outros preferem dizer Países Nórdicos que incluem também a Finlândia e a Islândia, bem como os territórios associados (Ilha Feroé, Groelândia e Alanda).

Esta região é cortada ao meio pelo Círculo Polar Ártico, possuindo um inverno extremamente frio, com intensa nevasca e um verão curto e ameno, especialmente nas áreas que estão acima da latitude 67 graus. As capitais, por estarem próximas ao golfo e litoral leste, possuem invernos mais amenos. Também é a terra do sol da meia noite!

Foto 4 - A Pequena Sereia, personagem reconhecida dos contos infantis de Andersen.

Esses três países são nações ricas, entre as trinta primeiras do mundo e com alto grau de desenvolvimento humano (2015), situados entre os quinze primeiros do mundo, sendo a Dinamarca o primeiro. A política de bem estar social tem sido implantada com mais intensidade nos países nórdicos o que torna o Estado garantidor dos bens e serviços sociais a todos os cidadãos.

Os três idiomas dinamarquês, norueguês e sueco são línguas distintas, mas os escandinavos conseguem se entender entre eles, incluindo a mídia impressa, rádio e televisão. Na idade média, essas línguas foram influenciadas pelo idioma alemão, devido a atividade comercial. Preocupado em não falar dinamarquês, norueguês e sueco? Sem problemas! Todos falam inglês, quase como segunda língua. Peço desculpas aos cidadãos dessa terra, pois não vou conseguir colocar a ortografia correta de palavras, com todos os acentos, nesse blog.

Os três países possuem monarquias constitucionais com regime parlamentarista. As suas populações são predominantemente cristãs.

Foto 5 – Um dos mais importantes palácios da Dinamarca: O Palácio de Christianborg, visto a partir das águas. 

Ao longo de sua história, houveram movimentos políticos de união, a exemplo do movimento escandinavista, no século 19, que propunha a unificação dos três reinos em um único.

Apesar de não ter havido a união política, a cooperação entre as três nações tem sido estreitada e ampliada, pela instituição de um Conselho Nórdico que criou um mercado comum de trabalho e livre circulação de pessoas. Porém, eles possuem três moedas distintas: coroa dinamarquesa, coroa norueguesa e coroa sueca, com valores de cotação, em relação às outras moedas, bem próximos.

Os escandinavos, em geral, preservam sua identidade e mantém suas tradições, ao mesmo tempo em que aceitam novas idéias e pessoas. A sociedade preza a liberdade individual e considera de alto valor a tolerância, privacidade e discrição.

3 - PERSONAGENS DA SAGA ESCANDINAVA

A Escandinávia é a terra natal dos Vikings, guerreiros destemidos, que de lá se lançaram ao mar e conquistaram e colonizaram vastas áreas da Europa, durante os séculos 9 ao 11. Em seus barcos velozes com proas de dragão (drakars), os vikings levaram o temor e morte para regiões distantes como a França, Alemanha, Inglaterra, Irlanda e Rússia.

Foto 6 – OsVikings, originários da Escandinávia, foram grandes conquistadores. 

Os vikings acreditavam em vários deuses ligados às forças da natureza. Odin (deus da sabedoria e da guerra) era a maior divindade. Os outros deuses mais venerados eram Thor (deus do trovão e filho de Odin) e Njord (Deus dos Mares e dos Ventos). Eles valorizavam a morte e até a festejavam. Na mitologia viking, as valkirias, mulheres valentes que cavalgavam com Odin durante as batalhas, conduziam os bravos guerreiros, mortos em batalhas, para a valhalla (o céu dos vikings).

A fama dos vikings exclusivamente, como piratas que saqueavam e matavam cruelmente escondeu a outra face comprovada de sua habilidade como comerciantes, administradores e artesãos em metal e madeira.

Os vikings também contribuíram muito para a riqueza da mitologia e lendas nórdicas que continuam a fascinar o mundo, até hoje.  Nos 9 mundos distintos concebidos por eles habitavam deuses, gigantes e elfos (anões).

Foto 7 – Passando pelo Canal de Christianshavn.

A Escandinávia tem orgulho da tradição viking e está preparada para mostrar e esclarecer sobre os fatos e mitos desses valentes exploradores e sobre o legado e influência deste povo na formação de suas nações.

4 - COMO E QUANDO CHEGAR?

Visitar a Escandinávia é relativamente fácil. Os países são próximos e estão conectados entre si por vários meios de transporte, trem, barco, onibus e avião. A duração média da viagem entre as capitais é de pouco mais de uma hora por avião. Você pode pegar um transporte para o aeroporto de qualquer uma das capitais e começar o seu passeio a partir daí.

Foto 8 – Canal de Christianshavn, um dos importantes canais de navegação e comércio de Copenhague.

Julho, agosto e setembro são considerados os melhores meses para visitar a Escandinávia. Estive lá no fim de maio e início de junho. As temperaturas eram amenas, mínimas de 15 graus e às máximas ficaram por volta de 25 a 27 graus. Muito calor! Estranho, mas acho que tem a ver com o efeito estufa. Você pode planejar sua viagem para Junho, porque ainda não é a alta estação. Para um roteiro focado nas 3 capitais, dez ou doze dias será o suficiente, o que permitiria 3 a 4 dias em cada uma das cidades.


5 – DINAMARCA

A Dinamarca foi a primeira cidade visitada neste roteiro pela Escandinávia. Considero uma parada obrigatória!

ERA UMA VEZ, NA DINAMARCA...O PAÍS MAIS FELIZ DO MUNDO.


Foto 9 – Cenas de um pais feliz e sua relação íntima com as águas.

De um país de navegadores intrépidos, de castelos majestosos (Como o Kronborg Slot, que inspirou Shakespeare em sua obra Hamlet) e contos que encantaram o mundo (como os de Hans Christian Andersen), a Dinamarca é, antes de tudo um país vanguardista que costuma estar a frente do seu tempo, na defesa e conquista das liberdades civis e direitos de todos os cidadãos (sobre aborto, gays, crenças e preferências individuais), não é por menos que a Dinamarca ainda abriga na sua capital uma  comunidade livre ativa – Christiania.

Foto 10 – A Cidade Livre de Christiania, uma utopia de liberdade vivenciada.

Mais ainda, a Dinamarca tornou-se o celeiro de novos conceitos, inovações e avanços na arquitetura, urbanismo, design, moda e gastronomia. Não satisfeito com isso o País tem se destacado no desenvolvimento sustentável, no bem-estar de sua população, na qualidade e beleza do seu ambiente urbano/natural e do seu patrimônio histórico-cultural, conquistando muitos prêmios e inspirando o mundo.

Encontre mais dinamarqueses famosos em:

Por tudo isso, os dinamarqueses, tem se esmerado para receber bem o visitante oferecendo ótimos serviços que tem conquistado e atraído cada vez mais gente. Com certeza, o visitante terá muita alegria e animação além de cultura.


Foto 11 -  Arquitetura e barcos ao longo dos canais de Copenhague.

A Dinamarca funciona bem como a porta de entrada para a Escandinávia.


5.1  - LOCALIZAÇÃO E DADOS GERAIS

A Dinamarca fica a sudoeste da Suécia e ao sul da Noruega, delimitada ao sul pela Alemanha. As fronteiras do país estão no Mar Báltico e no Mar do Norte. No passado, a Dinamarca controlou por muito tempo a entrada e a saída do mar Báltico.

A Dinamarca compreende a península da Jutlândia (Jylland, no continente europeu, limitado ao sul pela Alemanha) e mais 443 ilhas, das quais 76 são habitadas. Cerca de 40% da população vive na maior ilha - Zelândia, onde fica a capital Copenhague.


Foto 12 – Passando em frente a Operaen, uma obra de arte contemporânea polêmica.

O país possui uma área de 43.094 km2  e uma população de 5.450.661 habitantes (2006).

6 - COPENHAGUE

A região metropolitana de Copenhague tem uma área de 2.673 km² e uma população de 1.835.467 (2012).  A cidade é muito concentrada e populosa, com uma densidade populacional bastante alta, uma das maiores do norte europeu.

Copenhague é perfeita para pedestres e ciclistas, a pé ou de bicicleta. É possível passear pelos seus parques bem cuidados, seus monumentos históricos e fazer compras em uma das principais ruas de comércio da Escandinávia. Um passeio de barco pelos canais é uma viagem no tempo, onde você pode admirar palácios, fortalezas e também prédios de arquitetura arrojada. Por toda a cidade você também vai encontrar mercados de comidas e restaurantes de culinária criativa.


Foto 13 – Um mundo de águas e muitas pontes para ligar.

7 - HISTÓRIA E DESENVOLVIMENTO DE COPENHAGUE

Vários historiadores afirmam que Copenhague surgiu durante a era viking e teve origem em um vilarejo de pescadores "Havn" (porto).

Copenhague tornou-se a capital da Dinamarca no início do século 15 e no seculo 17 desenvolveu-se como um importante centro regional, durante o reinado de Cristiano IV.


Foto 14 – Gammel Strand – uma área antiga de comércio à beira do cais.

O desenvolvimento de Copenhague deveu-se a importância do seu porto marítimo.

Devido a sua localização estratégica e infraestrutura de alto nível com o maior aeroporto da Escandinávia, a cidade tornou-se o principal centro de comércio do país, liderando exportações e importações através do seu porto marítimo. Copenhague destaca-se como importante centro regional de negócios, ciência e cultura.

No ano de 2000, a cidade ampliou sua área de influência, se expandindo para a vizinha Suécia (Cidade de Malmo), com a construção da famosa ponte-tunel (Ponte de Oresund) que facilita o transporte rodoviário e ferroviário. Esta ligação criou o complexo dos dois portos que se destaca como destino de cruzeiros.

Copenhague tem sido reconhecida como uma das cidades de melhor qualidade de vida do mundo além de ter recebido outros títulos que comprovam o desenvolvimento socio-ambiental e ecológico da cidade. É considerada uma das cidades mais ecológicas do mundo, onde a água do interior do porto é tão limpa que serve para natação e quase 40 por cento da população utiliza a bicicleta para irem ao trabalho.


Foto 15 – Lazer e contemplação a beira dos canais de Copenhague.

Copenhague é uma cidade superlativa em termos urbanísticos e ambientais. Por todo o mundo a cidade tem sido considerada um modelo a ser seguido e continua conquistando mais e mais títulos (http://www.copcap.com/newslist).

O desenvolvimento urbano e cultural tem atraído grandes investimentos em infraestrutura e equipamentos culturais consolidando esta posição de destaque e avançando com novas frentes de excelência como a de ser um centro de inovação para designers, chefs de cozinha e arquitetos.



Foto 16 – As famosas cadeiras do renomado designer Arne Jacobsen, no Museu do Design.
Por tudo isso, Copenhague foi a cidade mais visitada dos países nórdicos, com 1,3 milhão de turistas internacionais em 2007.  O Porto Copenhague-Malmo recebeu mais de 310 navios e 560.000 passageiros.

8 - DESIGN

A Dinamarca é um dos maiores centros de design do mundo. Graças a nomes que se tornaram famosos nos anos 1950, como Arne Jacobsen, Hans Wegner e Børge Mogensen, o design dinamarquês se tornou sinônimo de linhas arrojadas, alta funcionalidade e novas formas de pensar. Algumas características do modo de viver e das preferências do dinamarquês estão expressas no seu design: Beleza, Simplicidade e Funcionalidade.

Foto 17 -  A arquitetura inusitada do prédio da Bolsa de Valores, patrocinado pelo rei arquiteto, Cristiano IV.

A herança do bom desenho está presente ainda hoje, permeando tudo, dos negócios aos lares do país. Pense em Bang & OlufsenSteltonLEGO: de móveis e artigos para a casa a brinquedos e moda. Se é bonito e funciona bem, é bem provável que seja dinamarquês!


9 - GASTRONOMIA

Copenhague se considera a capital gourmet da Escandinávia. A cidade tem uma gastronomia premiada que inclui alguns dos melhores chefes e restaurantes do mundo estrelados de acordo com o Guia Michelin... Aqui pode ser o lugar para experimentar a tradicional comida escandinava.


Foto 18 – Papiroen – Aqui você encontra a tradicional Comida de Rua em Copenhague.
Mas, qual é a tradicional comida escandinava?

A gastronomia local utiliza uma grande variedade de produtos: como peixes a exemplo de salmão e arenques, em todas as suas formas: seco, em salmoura, defumado, marinado, à escabeche e fermentado, carnes de cordeiro ou rena frescas, defumadas ou secas.

Em relação à carne, as preferências mudam de um país a outro (os suecos preferem o boi e o porco; os noruegueses, a rena e o cordeiro), mas todos partilham o gosto pela carne picada: grandes almôndegas; pequenos bolinhos de carne picada, almôndegas ligeiramente esmagadas e pastéis de carne.
A confeitaria escandinava é bem variada. Ao lado dos biscoitos amanteigados dinamarqueses, encontram-se os morangos noruegueses, pães doces e recheados, bolos de gengibre, tortas de maçã ou empadinhas de compota de maçã.

Experimente o Pão de Viena (Vienna Bread), chamado assim porque ele foi feito primeiramente na Dinamarca (1840) por chefs vienenses. Prove também o Cinnamon Snail ou Roman Snail...

Tudo bem, a comida é premiada, mas como posso comer barato? Algumas dicas:

- Comprar sua comida em supermercados e lojas de conveniência;
- Comer no Mercado de Rua: Street Food ( http://copenhagenstreetfood.dk/en/ ) ;
- Comer o tradicional cachorro quente dinamarques em uma das refeições;
- Comer no “7 eleven”, tem um em quase toda a esquina;
- Comer no Tailandes ou no Kebab da esquina, sempre tem um próximo;
- Comer um smorrebrod, o tradicional prato dinamarquês.


Foto 19 – O sanduiche aberto Smorrebrod - o tradicional prato dinamarquês.

São imperdíveis:

- O verdadeiro clássico das refeições dos dinamarqueses - o Smørrebrød - é muito mais que um simples sanduiche. Você pode encontra-lo em vários lugares. Os sanduíches abertos, smørrebrød, podem ser uma ótima opção para um almoço barato na Dinamarca.

Quer aprender a fazer o smorrebrod? – veja vídeo abaixo:

- Cachorro-Quente Dinamarquês? Sim. As barracas de cachorro-quente dinamarquesas são uma instituição cultural e tem alimentado os dinamarqueses famintos por mais de 80 anos.  A quantidade e a fila são grandes. As salsichas são variadas, mais de 6 tipos no mínimo, com ou sem pão, e a escolha da guarnição também é variada, pode ser com ketchup, mostarda, cebola assada ou crua.


Foto 20 – Dizem que o Cachorro Quente dinamarquês é o melhor do mundo. Pelo menos, a disputa é grande.

- Beber uma cerveja Carlsberg, afinal aqui é a terra desta famosa cervejaria.


10 - COMPRAS

Um lugar imperdível para compras é o famoso corredor comercial Stroget.


Foto 21 – Lojas na Stroget, o mais importante corredor comercial de Copenhague. Na verdade, um shopping a céu aberto.

Mas, o que comprar?

A Dinamarca tem uma indústria rica de design, desde objetos, acessórios, roupas até móveis para casa. Confira o que está na moda na Dinamarca. Veja as lojas conceitos dos mais famosos profissionais e os “showsrooms”. Leve, pelo menos, uma pequena peça do design dinamarquês para casa. Vai ser difícil resistir!

Leve um Lego para as crianças e se presenteie com um sapato da Ecco. Você também pode adquirir algumas peças de design na loja do Museu do Design.

Visite o Magasin du Nord, uma dos maiores e completas lojas de departamentos do país: 
http://www.visitcopenhagen.com/copenhagen/magasin-du-nord-gdk412299.

Uma peça de artesanato? Há várias lojas, inclusive na Stroget.

Uma peça da pequena sereia, também seria uma boa opção de presente. Veja as peças de melhor qualidade no quiosque, perto da Sereia.

Para ajudar nas compras segue abaixo a cotação da moeda dinamarquesa (DKK) em relação ao dólar americano (USD) e euro na ocasião: 1 DKK = 0,14921 USD; 1 DKK = 0,1340 EUROS.


COMO CHEGAR E SE ORIENTAR
Você pode chegar por navio, trem (a partir da Suécia) ou avião. O aeroporto de Copenhague - Aeroporto de Kastrup – CPH ( www.cph.dk ), maior aeroporto da Escandinávia, é considerado um dos melhores da Europa. Fica a menos de 15 minutos do centro da cidade, por metrô (Linha Amarela – M2), o ticket custa Dkr 36. Do aeroporto, pegue a direção Vanlose e desça nas estações mais centrais: Kongens Nytorv ou Norreport.

Copenhague é uma cidade marítima atravessada por um braço de mar, onde canais e pontes lhe conferem uma beleza ímpar. A cidade é muito plana e propícia aos passeios a pé, de bicicleta e de barco.


Foto 22 – Em direção a Gammel Strand, uma das áreas de cais, mais pitorescas de Copenhague, com seu casario típico.

A grande maioria dos atrativos fica na área central da cidade, limitada pelo braço de mar (a leste) e a área do canal a oeste (lakes), com uma largura leste-oeste de menos de 2km. A extensão norte-sul , a partir da estátua da pequena sereia, próxima a antiga fortificação – Kastellet (norte), até o parque Tívoli (sul) é de cerca de 3km.

Veja o mapa do Centro de Copenhague e suas atrações:

A leste do braço do mar está o bairro-ilha de Christianshavn, que mede cerca de 600 metros de largura (leste-oeste) e cerca de 2,5km de comprimento (norte-sul).

Veja o mapa do bairro de Christiania (Christianshavn) e suas atrações:


A oeste estão os bairros residenciais de Ostebro, Norrebro e Vesterbro.

Ao sul de Christianshavn está a ilha Amager, onde fica situado o Aeroporto.


11 - INFORMAÇÕES TURÍSTICAS

O aeroporto possui um bom centro de informação turística e de apoio aos visitantes. O centro de informações turisticas do centro (Copenhagen Visitor Service) está próximo a Estação Central: Vesterbrogade 4, 1620 Copenhagen V, Tel.: +45 70 222 442. Email: visitorservice@kk.dk


Foto 23 – A cidade é bem sinalizada com vários painéis de informação turística.

Para ajudar a planejar sua viagem acesse:


Em dúvida, por onde começar? Acesse o Oases in Copenhagen:


12  - CIRCULANDO EM COPENHAGUE

Que tal circular de bicicleta?

Na Dinamarca, as bicicletas não são meras bicicletas – são um estilo de vida. Por dois anos consecutivos, Copenhagen, foi eleita a melhor cidade para o ciclismo pelos especialistas americanos em sustentabilidade - Treehugger (http://www.treehugger.com/ ).


A cidade é construída para os ciclistas e você verá mais bicicletas do que carros no centro da cidade. Um terço dos moradores de Copenhague pedala para ir ao trabalho. A cidade tem cerca de 350 km de ciclovias que se conectam com estradas e são realmente seguras para a prática de ciclismo.


Foto 24 – Você verá mais bicicletas do que carros em Copenhague.
Há várias opções de aluguéis e roteiros além das bicicletas do sistema público, espalhadas pela cidade - free city bike.

Copenhague também é uma cidade ideal para caminhar. Tudo é muito próximo e a cidade é plana e agradável. A grande maioria dos principais atrativos está no centro da cidade e seu entorno.



13 - ROTEIRO E PRINCIPAIS ATRATIVOS EM COPENHAGUE

Fiz um roteiro de 3 dias por Copenhague para conhecer os principais atrativos. Todos foram feitos a pé, de forma confortável. Tudo facilitou porque fiquei hospedada em uma área bem central, muito próxima a um dos maiores atrativos da cidade - O porto de Nyhavn. Por isso sempre passava pelo cais na volta para ver o por-do-sol. Apenas experimentei pedalar, por um curto percurso. Acho que o caminhar lhe dá mais liberdade.

Com pequenas variações, os guias de turismo citam como atrações imperdíveis: A Igreja de Nosso Senhor Salvador (Vor Frelsers Kirke); A Pequena Sereia (Den Lille Havfrue); O Porto Novo – Nyhavn; o MuseuThorvaldsens; a Comunidade Christiania; Opera - Operaen; Palácio Amalienborg; Bolsa de Valores – Borsen; Galeria Ny Carlsberg Glyptotek; Museu Statens Museum for Kunst.

Algumas sugestões para conhecer o lado interessante de Copenhague: Comer Smorrebrod de Arenque, Beber uma Cerveja, Andar de Bicicleta, Pegar o ônibus aquático; Divertir-se no Parque Tívoli, Degustar a culinária comtemporânea; Apreciar o Design Dinamarquês. Tudo isso depois de visitar um castelo e conhecer uma exposição sobre os vikings.

Foto 25– O Cais é sempre um lugar de encontro e de celebração, especialmente no verão.

Primeiro Dia: Eixo Comercial – Stroget: A Praça Hojbro ((Hojbro Plads) e Praça/Igreja de São Nicolau (Kunsthallen Nikola), Igreja do Espírito Santo (Helligandskirken), Praça ao longo da Stroget: Gammeltorv/Nytorv; Prefeitura e Praça -  Kobenhavns Radhus e Radhuspladsen; Parque de Diversão – Tívoli (passagem); Galeria Ny Carlberg Glyptotek; National Museum; Christianborg Palace; Passeio de Barco (Partida de Gammel Strand); Porto Nyhavn (por-do-sol).

Segundo Dia: Rosenborg Castle (passagem); Statens Museum for Kunst; Amalienborg (troca da guarda e visita ao palácio real); Igreja de Mármore (Marmorkirken Frederiks Kirke; Passeio pelo Cais Larsens Plads e Langeline; A Pequena Sereia (Den Lille Havfrue); Museu do Design – Designmusem Danmark; Porto Nyhavn (por-do-sol).

Terceiro Dia: Bairro de Christiania: Centro Dinamarques da Arquitetura – Dansk Arkitektur Center; Canal de Christiania – Christianshavns Kanal; Igreja do Nosso Salvador (Vor Frelsers); Comunidade de Christiania. De volta ao Centro: Prédio da Bolsa (Borsen); Museu Thorvaldsens; Rua Stroget; Rua Gobmagergade; Torre Redonda (Rundertarn); Mercado Público (Torvehallerne); Porto Nyhavn (por-do-sol).


13. 1 - PRIMEIRO DIA - PRINCIPAIS ATRATIVOS

Caminhando em direção ao sul e área central.

STROGET – O GRANDE EIXO DE COMÉRCIO E LAZER

Foto 26 – Stroget, um longo shopping ao ar livre, com mais de 1200 metros e uma infinidade de opções de compras.
  
Comece passeando no corredor comercial e de lazer mais longo da Europa, são cerca de 1.200 metros de lojas chiques e populares, praças, restaurantes, prédios e locais históricos e muita animação.  Stroget é um calçadão que atravessa o Centro Histórico e liga duas praças importantes: a praça Kongens Nytorv  e a Praça da Prefeitura  (Radhuspladsen). Na verdade, são várias ruas que formam este eixo que funciona como um grande shopping a céu aberto.

Foto 27 – Magazin du Nord, um das mais destacados centros de compras na Praça Kongens Nytorv, entorno da Stroget.

Vamos começar da praça Kongens Nytorv, um grande ponto de concentração de atividades, tais como a estação do Metrô, o Teatro, o Palácio Charlottenborg e o Porto Nyhavn e finalizar na Praça da Prefeitura aproveitando para conhecer o entorno e os atrativos ao longo deste corredor.

Praça Hojbro ((Hojbro Plads) e Praça/Igreja de São Nicolau (Kunsthallen Nikola)

Aqui nesta área ficava o grande mercado antigo (feira) de Copenhague, com vendedores na praça, no entorno da Igreja e ao longo do cais Gammel Strand. No centro da praça está a estátua do famoso bispo Absalon, fundador da cidade.

Foto 28 – Fonte  na Stroget, um dos pontos mais animados desse corredor comercial.

Visite a antiga igreja de São Nicolau, hoje transformada em um centro de arte contemporânea.

Hoje, essa Praça é uma das mais animadas da cidade, com vários cafés e restaurantes.

Foto 29 – Igreja de São Nicolau (Hojbro São Nicolau), no entorno da Stroget.

Igreja do Espírito Santo (Helligandskirken)

A igreja do Espírito Santo (1880) é um recanto de paz ao longo da Stroget. No seu interior estão as pias batismais  de mármore branco do famoso escultor Thorvaldsen.

Foto 30 – Igreja do Espírito Santo, um recanto de paz na Stroget.

Praça Gammeltorv/Nytorv

São duas praças: a antiga (Gammeltorv) e a nova (Nytorv) que foram reunidas depois do incêndio do século 18, formando uma grande e única esplanada.

Foto 31  – Duas Praças reunidas, após o incêndio, em uma única esplanada.

No centro da antiga está uma encantadora fonte renascentista, com a figura da “Caridade”. Na nova, está o austero Palácio da Justiça.

Foto 32 – Uma encantadora fonte na Praça, simbolizando a caridade.

No verão, a praça é transformada no ponto de encontro dos dinamarqueses, que frequentam os seus cafés e restaurantes.

Prefeitura e Praça -  Kobenhavns Radhus e Radhuspladsen

A imponente prefeitura, com um majestoso hall, foi construída em 1905. Do alto de sua torre você pode ter belas vistas da cidade. Um ponto de destaque é relógio astronômico (1955), de Olsen. Na lateral da Prefeitura está o boulevard Hans Christian Andersen, onde fica uma escultura do famoso escritor.

Foto 33 – A imponente fachada da Prefeitura de Copenhague. 

Por esse boulevard vocè tem acesso a dois atrativos famosos: o Parque Tivoli e a Galeria de Arte: Ny Carlsberg Glyptotek, bem próximos.


Foto 34 – Os campeões de badminton sendo ovacionados na Prefeitura.


PARQUE DE DIVERSÃO – TÍVOLI

É o segundo parque de diversões mais antigo do mundo. Foi inaugurado em 1843.

Desde então, o Parque de Tivoli tem se tornado um tesouro nacional e uma atração internacional. Andersen visitou o local por várias vezes e Walt Disney e muitas outras celebridades se apaixonaram por seus jardins.

Foto 35 – Tivoli, o segundo mais antigo parque de diversões do Mundo (1843).

Talvez, parte do sucesso do Tívoli é de que o mesmo ofereça sempre alguma coisa para todo o mundo: o cenário é bonito com arquitetura exótica, prédios históricos e jardins exuberantes. A iluminação a noite cria uma atmosfera única de conto de fadas.

Em sua área de 82.717 m², o parque possui de tudo um pouco: montanhas russas, brinquedos, restaurantes, retretas, jardins temáticos, espaços para shows, lagoas...

Foto 36 – Tívoli, um imenso parque da fantasia, com diversões para todos os gostos.
  
Eventos, natação, concertos, shows, brincadeiras, jogos, alimentação, passeios, piqueniques... Tudo pode acontecer neste espaço mágico.

Mais informações em: http://www.tivoli.dk/en/

GALERIA DE ARTE - NY CARLBERG GLYPTOTEK

O museu foi fundado a partir da coleção de Carl Jacobsen, filho de Jacob Christian Jacobsen, fundador da cerveja Carlsberg, e possui uma das maiores coleções privadas de arte de seu tempo. O luxuoso edifício foi inaugurado em 1897. O belo jardim de inverno tropical possui vegetação exuberante e esculturas clássicas.

Foto 37 – Fachada da conceituada Galeria Ny Carlberg Glyptotek, criada pelo filho do fundador da cerveja Carlsberg.

A galeria é considerada uma das maiores do país, com cerca de 350 mil visitantes por ano.

Possui a maior coleção de arte antiga no norte da Europa, que inclui antiguidades egípcias, gregas e romanas, bem como esculturas românticas e pinturas impressionistas e pós-impressionistas.

Foto 38 – Um belo Jardim de Inverno Tropical na Galeria, com esculturas românticas.

MUSEU DA CIVILIZAÇÃO DINAMARQUESA - NATIONALMUSEET

O museu oficial de Copenhague leva você a uma jornada fascinante através da Dinamarca, ajudando-o a compreender as origens e o passado histórico deste país.

 Foto 39 – Fachada do Museu Nacional, uma jornada fascinante através da história da Dinamarca.

As coleções (históricas a contemporâneas) têm o intuito de instruir os visitantes a respeito da cultura única que se desenvolveu no país. Os habitantes de Copenhague orgulham-se tanto de suas tradições escandinavas quanto de seu moderno perfil europeu.

Foto 40 - Carro do sol: o sol puxado pelo cavalo divino, segundo a mitologia dinamarquesa.

O acervo abrange a história real desde paleolítico até o século 19: vikings, cruzados, guerras travadas com a Suécia e Noruega e a forte cultura acadêmica, literária e design da cidade. Veja fotografias raras da cidade, além de filmes, artefatos e mostras interativas e digitais. Destaques da coleção são: O Carro do Sol, que mostra o sol puxado por um cavalo divino (1.400 A.C) e o Caldeirão de Gundestrup, usado em cerimônias rituais (Século 1 A.C) e as Runas.

Foto 41 – Runas, antiga forma de escrita dos povos nórdicos que servia para a comunicação e para fins de magia.

Descubra as origens de Copenhague como uma pequena vila de pescadores, em 1167. Ao passear pelo museu, você verá a história da cidade se desdobrando diante de seus olhos. Uma apresentação de 25 minutos mostra as mudanças na cidade por ano e ajuda a explicar seu aspecto atual.


PALÁCIO DE CHRISTIANBORG – CHRISTIANBORG SLOT

O Palácio de Christiansborg tem sido a sede do poder político da Dinamarca por mais de 800 anos. É a única construção do mundo que abriga os três poderes juntos: executivo, legislativo e judiciário. Foi residência real até o incêndio de 1795. Hoje, o edifício abriga a câmara parlamentar, os escritórios do primeiro ministro e os apartamentos reais utilizados nas grandes recepções. São destaques: o Parlamento, Ruínas da Fortaleza (1167) as Salas de Recepção Real.

Foto 42 – O Palácio de Christianborg, sede dos três poderes na Dinamarca.

O edifício passou por várias reconstruções ao longo de sua história. O primeiro castelo - Christiansborg foi feito pelo rei Cristiano VI em 1746, o prédio foi destruído por um incêndio em 1795. Depois, ele foi reconstruído em 1828 pelo rei Frederico VI, mas foi destruído por outro incêndio em 1884. O terceiro e atual Christiansborg foi inaugurado em 1928 e as ruínas do Castelo de Absalão se tornaram acessíveis ao público.

Foto 43 – O palácio de Christianborg, ao longo de sua história, foi reconstruído por diversas vezes.

A capela real neoclássica – Christiansborg Slotskirke, vizinha ao castelo, tem um interior magnífico.

O Palácio está localizado em uma ilhota, juntamente com o Prédio da Bolsa, o Museu de Thorvaldsens e possui belas perspectivas de suas duas frentes. Você pode ter acesso pela Gammel Strand.

Veja a planta do palácio:

Veja o vídeo do Palácio: 

PASSEIO DE BARCO

Existem várias empresas que oferecem roteiros e excursões por barcos. São vários tipos: Hop on Hop off (você pode descer e subir em paradas específicas do roteiro percorrido, sem custos adicionais); temáticos, como o jazz e blues cruise; roteiros com jantar oferecido: Dinner Cruise.

Foto 44 – Ponto de embarque no porto antigo de Nyhavn - Passeio de Barco.

Recomendo a excursão GRAND TOUR OF COPENHAGEN, da empresa “Stromma”. A excursão dura cerca de uma hora e percorre os principais atrativos da cidade. Você pode pegar o barco em dois pontos: Gammel Strand, próximo ao Palácio Christianborg, e no Porto Nyhavn.

Foto 45 – Ponto de embarque em Gammel Strand -  Passeio de Barco.


No barco, a atenção deve ser redobrada para não bater a cabeça nas pontes. Como várias pontes são baixas, você precisa sentar ao passar por baixo delas. O guia faz uma brincadeira: pede aos passageiros para alertá-lo, sempre que o barco se aproxima uma ponte, gritando: BRIDGE!

O PORTO DE NYHAVN

O canal do Porto foi aberto entre 1671 e 1673, por ordem do rei Cristiano V, para permitir o acesso dos barcos mercantes a localidade de Kongens Nytorv. A área se tornou próspera quando ricos mercadores instalaram-se ao seu redor. Porém, os mercadores abandonaram o local depois do bombardeio da cidade em 1807, durante a Guerra Napoleônica.

Foto 46 – Porto de Nyhavn, aberto no século 17 para dinamizar a economia do país. Um dos mais belos cartões postais da cidade.

Daí seguiu-se um período de decadência. Um dos seus mais importantes moradores foi Andersen que viveu em Nyhavn, nas casas de nº 18, 20, 67, pois mais de vinte anos, quando escreveu os seus primeiros contos em 1835. A casa de nº 9, é a mais antiga.

Foto 47 – Porto de Nyhavn, local de residência de importantes moradores como Andersen.

Com a revitalização do Porto, quase todas as casas de Nyhavn foram transformadas em bares, cafés e restaurantes, se transformando em uma das mais famosas e vibrantes áreas da cidade. Muitos vem para passear, sentar-se na beira do canal ou nas dezenas de bares e restaurantes, às margens do canal.

Nyhavn é um lugar fantástico, cheio de barcos, cores, cerveja, comida, alegria e muita animação!

Foto 48 – Porto de Nyhavn, hoje um lugar de encontro e muita animação.
  
13.2 - SEGUNDO DIA - PRINCIPAIS ATRATIVOS
Caminhando em direção ao Norte e Orla

CASTELO DE ROSENBORG

O castelo foi construído em 1606, e representa a arquitetura do renascimento flamengo no período do rei Cristiano IV, grande construtor e arquiteto. Foi a residência favorita do rei Christiano. Passou por várias reformas e ampliações, chegando ao estilo atual em 1624. O edifício está cercado por um jardim belíssimo (Kongens Have). Deste local, a guarda real parte todos os dias para fazer a troca no palácio de Amalienborg.

 Foto 50 – Rosenborg, um castelo de conto de fadas, no centro de um parque.

Até 1710, o castelo foi usado como residência da família real. Após o reinado de Frederick IV, foi utilizado em duas circunstâncias, em 1794, após o incêndio do Palácio de Christiansborg e durante a invasão dos ingleses, em 1801.

O espaço contém luxuosos salões e objetos da família real (século XV ao século XIX) incluindo as Jóias da Coroa Dinamarquesa.

 Foto 51 – O castelo de Rosenborg, o favorito de Christiano IV.


Endereço: Oster Voldgade 4 A. Fica próximo ao Jardim Botânico e ao Museu Nacional da Arte - Statens Museum for Kunst.


STATENS MUSEUM FOR KUNST

O Museu Nacional de Arte (Statens Museum for Kunst) é um dos principais museus da Dinamarca. Pode ser considerado o Louvre da Dinamarca. O seu acervo inclui 250 mil peças que retrata o panorama da arte ocidental desde o Renascimento até a Atualidade.

Foto 52 – A fachada do museu nacional de Arte – Kunst, considerado o Louvre da Dinamarca.
O prédio (1889 e 1896), projetado por Wilhelm Dahlerup e G.E.W. Møller, segue o estilo da Renascença italiana.
No seu acervo estão obras dos grandes mestres da pintura flamenga, italiana e alemã e da arte dinamarquesa representada por artistas como Oluf HøstEdward WeiheOlaf Rude e Haral Giersing. Recomendo ver a exposição sobre a Arte Dinamarquesa e Nórdica (1750 – 1900), com mais de 400 trabalhos selecionados dos grandes pintores.

 Foto 53 – Crianças apreciando o "Cristo na Hora da Morte", obra de Skovgaard, no Museu Nacional.


Endereço: Solvgade, 48-50. Próximo a Rosenborg e ao ao Museu Nacional da Arte - Statens Museum for Kunst.


CASTELO DE AMALIENBORG

O complexo de Amalienborg compreende quatro palácios de exteriores idênticos dispostos ao redor de uma praça octogonal, uma das mais bonitas da Europa. No centro da praça está a estátua equestre do rei Frederico V, o fundador de Amalienborg. Hoje, o Castelo de Amalienborg é a residência oficial de inverno da realeza.


Foto 54 – Vista da praça octogonal, a partir do Castelo do Rei, Amalienborg.

O Castelo foi construído pelo arquiteto Nicolai Eigtved, em estilo rococó (1750 – 1760). Ao longo do tempo,  os interiores e exteriores dos edifícios foram modificados por diferentes gerações da família real dinamarquesa.


Foto 55 – Troca de Guarda em Amalienborg 1, um espetáculo real.

Os quatro palácios são: Palácio de Cristiano IX, Palácio de Cristiano VII, Palácio de Cristiano VIII, Palácio de Frederico VIII.

 

A residência real é protegida pela Guarda Real, cujos integrantes usam uniformes em preto e azul com chapéus do tipo urso. A troca de guardas é uma das cerimônias mais antigas da Europa e pode ser assistida ao meio dia. Os guardas saem do Castelo de Rosenborg em parada até Amalienborg.


Foto 56 – Troca de Guarda em Amalienborg 2, um espetáculo real.


Saiba mais sobre o Castelo em: 

http://www.kongernessamling.dk/en/amalienborg/


Mais informações em: 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Cristiano_IV_da_Dinamarca 

 


PASSEIO PELO CAIS LARSENS PLADS E LANGELINE

Ao sair do Palácio Amalienborg, caminhe em direção ao cais, no outro lado, em frente está a Operaen. Daí, dobre a esquerda e caminhe ao longo do Cais. Uma paisagem marítima, onde se destacam barcos e armazéns. Passe pela Coleção Real de Moldes. Siga em frente pela Langeline, a esquerda fica a Cidadela, principal fortificação da cidade no século 18. Ela tem forma de estrela de cinco pontas – Kastellet - cercada de fossos. Mais adiante você encontrará a Pequena Sereia.

Foto 57 – Vista do Porto pelo cais Larsens Plads, um agradável passeio a beira d’água.
De volta ao centro visite o Kastellet e, mais adiante, está a Igreja de St Albans e a fonte Gelfion Springvandet, criada por Anders Bundgaard e inaugurada em 1908 na ocasião da celebração do 50° aniversário da cervejaria Carlsberg. Segundo a lenda, a deusa Gefion, representada na fonte, criou a ilha Zelândia, onde se situa Copenhague.

 

OPERA DE COPENHAGUE - OPERAEN

O edifício da Opera é notável pela sua arquitetura, concebida pelo famoso arquiteto dinamarquês Henning Larsen. A Operaen foi inaugurada em 2005 e figura entre as casas de ópera mais modernas do mundo. Fica situada em frente ao porto, no centro de Copenhague.

 Foto 58 – Operaen, uma das casas de operas mais modernas do mundo.

O projeto foi objeto de muita controvérsia. Para alguns a forma se parece com uma torradeira.

O edifício é grandioso, tem uma área total de 41.000 m2 e 14 pavimentos, sendo 5 subterrâneos. São mais de mil salas, mas tem apenas 1.500 assentos por conta da qualidade do som.

A localização é fantástica, com vistas da cidade e do Porto.


Mais informações em: https://kglteater.dk/en/

Endereço: Ekvipagemestervej, 10


A PEQUENA SEREIA  (ESCULTURA) – DEN LILLE HAVFRUE

A Pequena Sereia (Den Lille Havfrue) é um conto infantil de autoria de Hans Christian Andersen sobre uma jovem sereia, filha do rei do mar, que trocou sua linda voz por um corpo de mulher pra conquistar o amor de um príncipe humano. A história não tem um final feliz: a sereia muda assistiu ao casamento do seu amor com outra e morreu.

Foto 59 – Sereia, a escultura que representa o personagem do conto infantil de Andersen, foi doada à cidade pelo filho do fundador da Cervejaria.
A estátua foi presente de Carl Jacobsen,  filho do fundador da famosa cervejaria Caslberg, para a cidade em 1913. Ela foi esculpida pelo Edvard Erichsen. 

A delicada e triste sereia olhando para o mar, em uma pedra, tornou-se um grande e popular atrativo turístico. Numerosos turistas disputam o espaço para uma tirar fotos com ela.

Como chegar: caminhe pelo cais – Larsens Plads e Langeline. Fica próxima ao  Kastellet – Cidadela.


MUSEU DO DESIGN – DESIGNMUSEUM DANMARK

No país do Design, é imperdível visitar o Museu que conta a história do famoso design dinamarquês. Há coleções orientais, européias e dinamarquesas. Recomendo visitar a exposição Utopia e Realidade, sobre design de móveis dinamarquês do século XX, que inclui os grandes nomes do design como Kaare Klint, Poul Henningsen e Arne Jacobsen.

Foto 60 – Museu do Design, um encontro com a história do famoso design dinamarquês.

Veja mais em:  http://designmuseum.dk/en

Se você estiver interessado em arquitetura e design, você pode participar  de um passeio a pé, de 90 minutos, promovido pelo Centro de Arquitetura e Museu do Design: http://designmuseum.dk/en/aktiviteter/90-minutes

Endereço: Bredgade, 68. Próximo a Amalienborg.


13.4 - TERCEIRO DIA - PRINCIPAIS ATRATIVOS

Caminhando em direção a leste – Christiania e Centro

O percurso teve inicio no Porto Nyhavn e prosseguiu pela rua Havnegade e a ponte Knippels Bro e, continuou pela Tovergade, em direção a ilha de Christiania.

CENTRO DINAMARQUES DA ARQUITETURA – DANSK ARKITEKTUR CENTER

O Centro Dinamarquês de Arquitetura está sempre promovendo ótimas exposições temáticas que tratam do passado, presente e discutem o futuro da cidade.

Esse Centro está situado em Christiania, em um antigo armazem, a beira do cais. O restaurante no primeiro andar, tem uma belíssima vista para o canal.

Foto 61 – No Centro de Arquitetura se discute o passado, presente e futuro da cidade.
Veja mais em:

Endereço:Strandgate, 27B.

CANAL DE CHRISTIANSHAVN – CHRISTIANSHAVNS KANAL

Este canal possuía uma intensa atividade comercial no passado (século 17), com muitas casas e armazens. Hoje, ao longo do canal, observam-se muitas atividades turísticas e residenciais.  Por ele navegam os barcos cheios de turistas. Você pode ver diversas imagens desse canal, no início dessa postagem.

IGREJA DO NOSSO SALVADOR (VOR FRELSERS KIRKE)

A Igreja de Nosso Salvador é a construção de maior destaque e a mais antiga em Copenhague. Essa igreja barroca foi construída em 1680. O projeto de Lambert van Haven tem uma torre espiralada que pode ser vista de toda a cidade, e se constitui o maior atrativo. Do topo dela, a 95 metros de altura, é possível observar a magnífica paisagem de Copenhague.

Foto 62 – Igreja de Nosso Salvador, uma das obras de maior beleza e destaque de Copenhague.

Os destaques internos da igreja são um complexo altar no estilo romano (retratando Jesus e seus discípulos) e um imenso e magnífico órgão em perfeito estado de funcionamento. Participe da missa com os habitantes para ouvir o órgão.

Subir a torre da Igreja até o topo, em uma escadaria externa em caracol (na parte final), não é tarefa fácil. Os degraus de madeira oscilam com o vento e a escadaria fica mais estreita ao se aproximar do topo. Portanto, não se arrisque se você tem restrições de mobilidade ou problemas com vertigem.

Foto 63 – Vista deslumbrante da Igreja de Nosso Salvador, uma das mais belas da cidade.
Mas, a recompensa de subir até o topo é grande: vistas panorâmicas perfeitas de Copenhague.


COMUNIDADE DE CHRISTIANIA

A Cidade Livre de Christiania é uma comunidade independente e com auto-gestão. Ela possui menos de mil habitantes e tem uma área de 34 hectares, no bairro de Christianshavn.

As autoridades públicas consideram Christiania uma área com status único porque é regulada por uma lei especial, a Lei de Christiania (lei federal de 1989). Christiania tem sido uma fonte de controvérsia desde sua criação, quando hippies, artistas e músicos invadiram uma área militar em 1971, em forma de protesto ao governo da Dinamarca.

Foto 64 – Welcome to Christiania – The Freetown.

Na área, o comércio de cannabis foi tolerado pelas autoridades até 2004. Desde então, as medidas para normalizar o estatuto jurídico da comunidade tem levado a conflitos e as negociações são carregadas de controvérsias.

Os moradores de Christiania se consideram moradores de uma cidade livre, administrativamente independentes das autoridades nacionais, outros tratam Christiania como uma Comunidade Autônoma.

Foto 65 – Wonderland Christiania – Christiania - A Terra das Maravilhas.

As drogas ainda se constituem o motivo principal de conflito. Na rua Push Street, conhecida como ponto de venda de drogas, o cenário pode ser assustador, pois a simples atitude de fotografar é considerada uma invasão de privacidade e coloca em risco esse tipo de negócio.

Foto 66 – Praça onde ocorre a venda de drogas - Green Light District – em Christiania. Foi muito barulho depois dessa foto e tive que esconder a máquina.

No local, você é advertido para obedecer três regras básicas do Green Light District:

- Have Fun (Divirta-se);
- Don’t run – It causes Panic (Não corra, pois isto causa pânico);
- No photos – Buying and selling hash is still illegal (Nada de fotos – Comprar e Vendar Marijuana é ainda illegal).

Apesar de tudo, Christiania oferece várias atrações artísticas e vida cultural diferenciada. A arquitetura é individualista, colorida e pitoresca, refletindo as expressões e marcas de um estilo de vida alternativo.  Vale a pena conhecer, mas esconda a câmera e não se aventure pelos locais escondidos.

Conheça mais sobre Christiania em:

http://www.visitcopenhagen.com/copenhagen/culture/alternative-christiania


(JÁ DE VOLTA NO SENTIDO DO CENTRO)


PRÉDIO DA BOLSA (BORSEN)

O edifício da Bolsa de Valores foi construído pelo rei Cristiano IV entre 1619 e 1640. A torre de 56 metros, em espiral, de forma inusitada, é formada  pelas caudas entrelaçadas de quatro dragões.

Foto 67 – O inusitado Prédio da Bolsa, encomendado por Cristiano IV.

Para fortalecer a posição da cidade como centro comercial, o rei contratou o arquiteto Lorentz y Hans van Steenwinckel o Jovem, que projetou o edifício no estilo renascentista holandês. O edifício foi reformado por duas vezes e abrigou a bolsa até 1974.


MUSEU THORVALDSENS

O Museu Thorvaldsen (Thorvaldsens Museum) é um museu de arte dedicado à preservação da obra e da memória de Bertel Thorvaldsen (1770-1844), um dos grandes escultores do neoclassicismo europeu. O escultor viveu quarenta anos em Roma. O prédio, inspirado na arquitetura greco-romana, está localizado próximo ao Palácio de Christianborg. No lado de fora, está situado um grande painel na fachada que mostra o retorno celebrado do escultor e de seu acervo ao seu país, em 1830.

Foto 68 – Os painéis da fachada do Museu Thorvaldsens, que conta a história do regresso do célebre escultor dinamarquês.

Além de possuir no seu acervo, a maior parte dos originais em gesso que deram origem às suas esculturas, o museu inclui os objetos pessoais, documentos e a grande coleção de arte do escultor.

TORRE REDONDA - (RUNDERTARN)

Para acessar a Torre, siga pela Rua Stroget e depois pela Rua Gobmagergade.

Rundetarn, uma torre redonda, do século 17 (1642), é mais um dos projetos de arquitetura promovidos por Cristiano IV da Dinamarca, cujo arquiteto é Hans van Steenwinckel. Ela foi construída em estilo barroco, para abrigar um observatório astronômico, ainda em atividade. Ela possui uma rampa helicoidal que permitia levar os instrumentos até o topo. Do alto (35 metros de altura), as vistas da cidade são belíssimas.

Foto 69 -Torre Redonda, construída no século 17, pelo rei Cristiano IV

Mais informações em: http://www.rundetaarn.dk/en/

Endereço: Kobmagergade 520.

Foto 70 – Vista de Copenhague, do topo da Torre Redonda.

MERCADO PÚBLICO (TORVEHALLERNE)

O Mercado público foi inaugurado em 2011. Ele possui paredes transparentes e abriga várias lojinhas e cafés, peixes frescos e especialidades dinamarquesas, italianas, japonesas...

Na parte externa, estão as bancas de legumes.

Para quem aprecia conhecer mercados, é um ótimo lugar para conhecer os produtos da terra e experimentar os pratos típicos. Eu adoro. Comi o meu primeiro Smorrebrod aqui.

Endereço: Frederiksborggade 24.


14 - MEUS FAVORITOS EM COPENHAGUE

Melhor atrativo: Nyhavn – O antigo Porto Novo, pela animação e colorido da paisagem;
Melhor passeio: Grand Tour Copenhagen, por permitir uma visão geral da cidade a partir das águas;
Melhor exposição: Statens Museum for Kunst, pela grandiosidade de seu acervo e pelo acervo da arte nórdica;
Melhor vista: Igreja de Nosso Salvador (Vor Freisers Kirke), pela arquitetura e pela vista magnífica da cidade;
Melhor castelo: Christianborg, pela imponência, função e significado.
Melhor parque: Rosenborg Have
Melhor arquitetura: Operaen, pela arquitetura contemporânea;
Melhor experiência: Troca de Guarda no Palácio Amalienborg;
Melhor comunidade: Christiania, pela inusitada paisagem alternativa e pela sua utopia;
Melhor rua de compras: Stroget, um shopping aberto e dinâmico.


15 – CONCLUSÃO

Visitar Copenhague foi uma experiência rica pelo valor do seu patrimônio histórico cultural, destacando os seus castelos, divertida pela grande variedade de eventos e locais de lazer, agradável pela fisionomia de sua paisagem urbana de canais e confortável pela fácil acessibilidade à pé e de bicicleta. Você se sente segura e bem recebida em Copenhague – o que torna a sua experiência de explorar a cidade, ainda mais gratificante.


Até a próxima, em Oslo.


3 comentários:

  1. Belo relato sobre Copenhague. Estive por lá alguns anos atrás, deu saudade e fiquei com vontade de voltar.
    Parabéns Santamaria

    ResponderExcluir
  2. Belo relato sobre Copenhague. Estive por lá alguns anos atrás, deu saudade e fiquei com vontade de voltar.
    Parabéns Santamaria

    ResponderExcluir
  3. BlueHost is the best hosting company with plans for any hosting requirements.

    ResponderExcluir