quinta-feira, 20 de agosto de 2015

ARGENTINA 3 - PATAGÔNIA ARGENTINA: BARILOCHE


 Foto 1 – Paisagem dos lagos, vista do Cerro Campanário.


1 INTRODUÇÃO

Bariloche, nome abreviado de San Carlos de Bariloche, na província de Rio Negro, é a porta de entrada da Patagônia Argentina. A cidade está situada a cerca de 1.680 quilômetros de Buenos Aires, capital da Argentina e possui uma população de 130 mil habitantes.

A cidade tem uma localização privilegiada, ao norte da Patagônia Argentina, vizinha a cordilheira dos Andes e ornada de lagos e montanhas. Ela está situada a margem do lago Nahuel Huapi, que compõe o magnífico Parque Nahuel Huapi, declarado patrimônio da humanidade em 1981.

Foto 2 - O majestoso Lago Nahuel Huapi,  com uma superfície de 17 mil mil hectares e profundidade de até 454 metros.
Bariloche tem paisagens impressionantes, de grande beleza natural, onde se destacam seus lagos e montanhas. Este patrimônio natural extraordinário a transformou em “Capital Nacional do Turismo de Aventuras”. Recentemente, Bariloche ganhou mais outro título: “Capital Nacional do Chocolate”.

Em 2014, o aeroporto local atendeu a mais 900 mil visitantes, 7 vezes a sua população. Este fato mede a forte dimensão do turismo, pincipalmente durante a estação do inverno. Milhares de brasileiros visitam a Bariloche para “ver” a neve e a rotulam carinhosamente de “BRASILOCHE”.

Foto 3 – No topo do Cerro Catedral, um dos maiores complexos de esportes de inverno da América Latina, ainda com neve em novembro.

A infraestrutura de turismo é excelente e de nível internacional. A rede hoteleira é variada e numerosa e os serviços de operadoras e de gastronomia são muito bem avaliados. Enfim, a economia do turismo funciona de forma modelar em Bariloche.


2 UM POUCO DE HISTÓRIA

Diversos povos nativos ocupavam a área, entre os quais os Mapuches, nativos do Chile, que cruzavam os Andes e aí se estabeleceram. Na língua mapuche, a palavra Bariloche significa: povo que habitava atrás da montanha.

A origem da ocupação da área tem como patrocinador o Dr. Francisco P. Moreno, um perito argentino em limites que participou ativamente da resolução de disputas de terras na área e que recebeu do governo terras em agradecimento aos seus serviços. Encantado com a beleza da área, Moreno doou terras, em 1903, para criação do primeiro parque nacional da Argentina, época da inauguração da cidade.

Foto 4 -  Dr. Moreno, grande perito argentino em demarcação de terras, ficou tão encantado com a beleza da área que doou suas terras para se fazer um Parque.

No século 18, expedições do Chile, escravagistas e missões jesuítas atravessavam as fronteiras dos dois países. No século 19, numerosos imigrantes europeus, contribuíram para o desenvolvimento da cidade. A atividade turística teve forte impulso com a chegada do trem em 1934.

Recomendo visitar o  Museu da Patagônia para conhecer um pouco da história de Bariloche e de sua região.


3 COMO CHEGAR? COMO SE ORIENTAR?

A melhor opção é chegar por via áérea. O Aeropuerto Internacional de Bariloche - Teniente Luis Candelaria fica a cerca de 14 quilômetros do centro de Bariloche e opera os vôos domésticos e vários internacionais como aqueles das empresas brasileiras GOL e a TAM. Em termos de tráfego aéreo, o aeroporto é o quarto maior da Argentina.

Foto 5 – A avenida 12 de outubro, via marginal ao lago Nahuel Huapi, em frente do Centro Cívico.

Bariloche está na fronteira com o Chile e se conecta por rodovia, com a cidade de Osorno (Chile), a cerca de 245 km. Outra forma de chegar à cidade é através da rota turística Circuito Andino (ver mais em Chile 3 – Patagônia Chilena), que inclui travessias dos lagos e percursos terrestres e se inicia em Puerto Varas (Chile).

O tecido da cidade é regular e ortogonal com quadras retangulares. Isso facilita muito a mobilidade do turista que pode conhecer todo o centro a pé, onde se concentra as principais atividades urbanas. O sistema de transporte público permite alcançar os cerros e outros atrativos distantes.

Foto 6 – Do outro lado do Centro Cívico, está a rua Bartolomé Mitre, a principal via comercial de Bariloche.

As avenidas principais paralelas à borda do lago são Avenida Bustillo/Avenida 12 de outubro (primeira via); Avenida San Martin/Moreno (segunda); Avenida Belgrano/Av. Gallardo (terceira via). O Centro Cívico é o grande marco referencial e coração da cidade. Entre a Av. 12 de Outubro e a calle Moreno estão as ruas paralelas: Catedral e Bartolomeu Mitre, esta última está ligada diretamente ao Centro Cívico.

Ver um bom mapa de Bariloche em:



4 QUANDO IR?

Bariloche é um destino para as quatro estações, onde suas paisagens mudam de cor: das cores do arco-íris no verão e primavera até o branco no inverno. A alta estação de esportes de inverno acontece junho, julho e agosto. Março, abril, maio, outubro e novembro são meses de baixa temporada. Recomendo visitar Bariloche em duas estações diferentes.

Para se ter uma breve visão da região, recomendo reservar 3 dias em Bariloche, sem incluir as atividades de inverno.

Foto 7 – Amancay, a flor da Patagônia, veste a cidade e os bosques de amarelo intenso.

Durante a primavera e verão a cidade se veste do amarelo do Amancay (Alstroemeria Aurantiaca), a flor da Patagônia, que cobre grandes extensões dos bosques e caminhos da cor dourada, muito brilhante. Segundo a lenda dos índios mapuches quem dá uma flor de Amancay está oferecendo o seu coração: “Quien da una flor de amancay está ofrendando su corazón”.


5 INFORMAÇÕES GERAIS E TURÍSTICAS

O Centro de Informações Turísticas, da Secretaria de Turismo, está situado no Centro Cívico que abre diariamente de 9 às 21 horas. O Centro está muito bem estruturado e dispõe de material informativo de excelente nível.

Recomendo os seguintes sítios oficiais para você planejar sua visita a Bariloche.

Sítio Oficial da Prefeitura: http://www.bariloche.gov.ar/
Sítio Oficial de Turismo: http://www.barilocheturismo.gob.ar/
Sítio Oficial do Parque Nacional Nahuel Huapi: http://www.nahuelhuapi.gov.ar/index.html


6 GASTRONOMIA

A gastronomia é de alta qualidade e une a cozinha de influência européia aos novos sabores locais com ingredientes como carne bovina, pescados, carnes defumadas, queijos e frutos vermelhos dos bosques.

Foto 8 - O prato de truta, peixe local, faz parte do cardápio tradicional da região. Delicioso!

Destacam-se o tradicional churrasco, o carpaccio de truta e o strudel de cordeiro, o fondue de queijo e chocolate. Outro prato tradicional é o curanto (prato de carnes e verduras cozidas embaixo da terra) apreciado na Colônia Suiça, a cerca de 25 quilômetros de distância do centro.

Foto 9 – Experimente os deliciosos produtos gourmet exclusivos da Patagônia.

Não se esqueça de provar as delícias do chocolate, em todas as suas formas e sabores. Há uma chocolateria, no mínimo, uma em cada quadra, na rua Mitre.

Foto 10 – O restaurante Boliche del Alberto prepara uma boa parrilada (churrasco argentino).

Experimente os deliciosos produtos gourmet exclusivos da Patagônia: sorvetes, carnes defumadas, geléias, queijos e conservas variadas.

Foto 11 – O restaurante Casa Weiss é bastante tradicional, tem um ambiente agradável  e serve uma truta deliciosa. Fica próximo à Catedral.

Recomendo alguns restaurantes: El Boliche del Alberto para uma parrilada (churrasco), Família Weiss para degustar uma truta deliciosa e La Marmite para apreciar um fondue.

Contatos dos restaurantes visitados:
El Boliche: Villegas 347. http://www.elbolichedealberto.com/
Família Weiss: Esquina da rua Palácios com a A.V. O’Connor.
La Marmite: Mitre 329. http://lamarmite.com.ar/

Foto 12 - Aprecie o delicioso fondue no restaurante La Marmite, na rua B. Mitre.


CERVEJA ARTESANAL - CERVEZA ARTESANAL

Em Bariloche se produz cerveja artesanal há mais de 100 anos. Faça um roteiro para apreciar as dezenas de cervejas produzidas no local, produtos de excelência. Em lugares específicos Brewpub ou Brewhouse, você pode acompanhar a produção dos mestres cervejeiros.


CHOCOLATE

Foto 13 - Uma das iguarias da Patagônia é o chocolate artesanal, uma tradição elevada ao extremo.

A cidade é sinônimo de chocolate, um verdadeiro paraíso para  os “chocólatras”. A tradição de fabricar o chocolate começou há mais de 50 anos pelos imigrantes europeus que aperfeiçoaram o produto agregando novos sabores e recheios.

As chocolaterias na rua Mitre, oferecem centenas de produtos tentadores. Entre as maiores lojas estão: Rapa Nui, Del Turista, Frantom, Mamuschka, Abuela Goye. Em dúvida sobre um presente especial para alguém especial? Leve chocolate. O chocolate é vendido a quilo: você pode montar a sua caixa a seu gosto ou optar por uma já pronta. As chocolatarias são também confeitarias, onde você pode tomar um café ou chocolate e fazer um lanche.

Foto 14 - Pensando em um presente especial para alguém? Leve chocolates. São centenas de vários sabores e formatos.

O chocolate também cria um roteiro especial que inclui o museu do chocolate, fábricas e lojas. Informe-se sobre visitas nas fábricas de chocolate.

A “Festa do Chocolate” em Bariloche acontece durante a semana santa.

Foto 15 - A tradição de fazer o chocolate, começou há mais de 50 anos pelos imigrantes europeus.

7 COMPRAS

A rua Mitre é a referência maior do comércio para o turista. Nela estão localizadas as principais lojas de produtos variados como chocolates, roupas e acessórios de frio, roupas de esportes, couro, artesanatos e vários outros produtos típicos.

Foto 16 - A tradicional rua comercial Mitre, onde você pode encontrar tudo o que precisa em Bariloche.

Destaca-se na rua Mitre, a Galeria del Sol, uma galeria comercial com uma arquitetura diferenciada e harmônica. A galeria possui uma bela cúpula de vidro, vegetação, fonte de água e revestimentos em madeira.  A concepção inovadora, em termos de arquitetura sustentável, foi criada pelo artista Remy Lemmens há mais de 25 anos. Vale uma visita ao espaço, não só pelo comércio, mas também pelo valor do ambiente. Ver mais: https://www.facebook.com/galeriadelsolbariloche

Foto 17 - A bonita Galeria del Sol, centro comercial de arquitetura diferenciada e concepção inovadora, na rua Mitre.
No centro, na esquina das ruas Villegas e Moreno, está situada uma feira de artesanato bem completa.

Não conheci o Shopping, mas Bariloche tem o seu Shopping Patagonia, de 16 mil metros, com uma ampla oferta gastronômica, comercial e de entretenimento. O estabelecimento está localizado entre as ruas  Elflein, Onelli e O. Goedecke.


Foto 18 – Roupas e acessórios de frio são vendidos na rua Mitre.

As lojas, em geral, abrem de 10 as 13 horas e de 16:30/17 até as 21 horas.


ARTESANATO

Em geral, os artigos regionais são diferenciados e de qualidade. Da cultura nativa destacam-se os tapetes, ponchos e outras peças produzidas em tear e tecidos feitos a mão com lã de ovelha e cabra, além de objetos de prata.

Foto 19 - Artesanato na Rua Mitre, principal rua de comércio de Bariloche, artigos em couro e em lã.
Da cultura européia vem os produtos de gastronomia e alimentos, como os chocolates, doces de frutas, defumado de carnes e peixes. Também são apreciados os cremes e azeites de rosa mosqueta e os perfumes e essências de lavanda.

Foto 20 - Artesanato na Rua Mitre, principal rua de comércio de Bariloche, souvenires para todos os gostos.
Conheça as belíssimas peças de cerâmica produzidas no local. 

Um dos produtos artesanais bastante inusitados são aqueles feitos com as galhas/chifres dos cervos. Atenção aos ecologistas e membros da sociedade protetora dos animais:  não se abatem os animais para a retirada de suas galhas. Os cervos se renovam e desenvolvem novas galhas a cada ano.


Foto 21 – Galhas de cervos são utilizadas em peças artesanais, neste caso em móveis. 


Quer uma sugestão de presente lindo e significativo?

Dê de presente uma jóia com a pedra nacional da Argentina -  Rodocrosita, conhecida como a “Rosa do Inca”, é uma pedra de cor rosa avermelhado, e daí a origem do seu nome. Em grego rhodon significa rosa e khrosis significa colorido. Para quem acredita a pedra simboliza o Amor, Equilíbrio e Harmonia.
 
Onde encontrar espaços específicos de venda do artesanato?

No Paseo de los Artesanos, esquina das calles Moreno e Villegas, você encontra uma praça onde se localiza a feira artesanal, com vários produtos regionais.

Foto 22 – A Feira Artesanal Municipal oferece produtos diversos da região.

Outro local onde se encontram vendedores ambulantes de artesanato e por tras do edificio do Centro Cívico. 

A  Associacion de Artesanos de Bariloche fica na calle Elflein, 38.

Foto 23 – Loja da Associação de Apoio aos artesãos de Bariloche.

8 PRINCIPAIS ATIVIDADES E ATRATIVOS

Como capital nacional do turismo de aventuras, a região oferece experiências para os cinco sentidos no contato com a natureza.

Destacam-se entre outras atividades: Cavalgadas em família pela estepe e pelo bosque, travessia de kayak, canoa havaiana, rafting, voo em parapente, canopy.

Foto 24 - Uma grande e variada rede hoteleira oferece opções para todos os gostos e demandas.

O turismo de neve que ocorre de junho a outubro é um dos maiores atrativos turísticos do país, onde se desenvolvem atividades como esqui, snowboard, esqui nórdico, heliesqui, passeios de trenó e quadriciclos.

Os cerros Catedral, Otto e Neumeyer oferecem infraestrutura completa para atividades na neve, além de espaços de bosques e serviços de gastronomia. São também oferecidos todos os serviços de venda/aluguel, indumentária e equipamentos necessários. Cursos são oferecidos para os iniciantes e interessados em se aperfeiçoar.

Foto 25 – No topo do Cerro Catedral, que oferece uma infraestrutura de alto nível para atividades na neve.

A tradicional “Festa da Neve” acontece na primeira quinzena de agosto.


CIRCUITOS: CIRCUITO CHICO E CIRCUITO GRANDE

Foto 26 – Ponto Panorâmico no Circuito Chico, com vista para o Lago Nahuel Huapi.

Estas duas excursões são as mais tradicionais de Bariloche. A empresa que opera as duas é a SITURISMO: http://www.siturismo.com/

Você quer ter uma breve apresentação da região de Bariloche e dispõe de pouco tempo?

Recomendo fortemente o Circuito Chico.


Circuito Chico

Foto 27 – Praia no lago, um dos pontos de parada do Circuito Chico.
  
O Circuito Chico dura cerca de 4 horas (manhã e tarde) e percorre uma a extensão de 72 quilômetros. Parte do Centro de Bariloche e margeia o Lago Nahuel Huapi, ao longo da Avenida Bustillo, com vistas para as suas praias. Visita o Cerro Campanário, onde você sobe pelo teleférico e chega ao seu topo, para observar belíssimas vistas de todo o conjunto de lagos e da Cordilheira dos Andes. Para no Ponto Panorâmico, uma das vistas mais lindas de todo o percurso, para fotos e também na Bahía López (lago escondido). Visita o histórico e luxuoso hotel Llao Llao e a capela San Eduardo, próximos ao Puerto Panuelo.

Foto 28 – Ponto Panorâmico no Circuito Chico, outra vista para o Lago Nahuel Huapi.


Circuito Grande

Esta excursão dura o dia todo, aproximadamente 10 horas e percorre aproximadamente  240 quilômetros. Não funcional durante o inverno. Começa na ruta nacional 237. Depois de cruzar o rio Limay (limite da província de Rio Negro e Neuquén), visita a Villa de Angostura. Continua pela rota de Los Siete Lagos até o lago Correntoso e visita o braço sul do Lago Traful com praias de areia vulcânica. Finaliza com o circuito até a Vila Traful, Vale Encantado e faz uma parada pelo El Anfiteatro, monumento natural da era glacial.


PARQUE NACIONAL NAHUEL HUAPI


 Foto 29 – No topo do Cerro Campanário, avistando o maravilhoso ecossistema do Parque Nahuel Huapi.

O Parque Nacional Nahuel Huapi é considerado o grande atrativo natural de toda a região que por sua vez abriga todos os atrativos e abrange dentro dos seus limites as áreas urbanas de San Carlos de Bariloche, Dina Huapi e Villa La Angostura , além dos distritos de Villa Traful e Villa Mascardi .


Este Parque fantástico está localizado a sudoeste da Província de Neuquén e a noroeste da Província de Rio Negro e possui uma superfície de 717 mil hectares, dos quais 56 mil correspondem ao imenso lago Nahuel Huapi. Esta área de conservação pertence a ecorregião dos Bosques Patagônicos, Estepe Patagônica e Altos Andes.

Foto 30 – Vista do lago escondido, ponto de parada do Circuito Chico.

O Parque Nacional tem um alto valor ecológico e paisagístico pois protege una extensa área representativa da região andina do norte da Patagonia. Numerosos lagos se encontram entre seus bosques, onde o mais destacado e maior em superfície é o lago Nahuel Huapi, com profundidades de até 454 metros. Outros lagos de menor extensão são o Traful, o Espejo e o Villarino na zona norte e o Gutierrez, o Mascardi, o Guillelmo e o Steffen na zona sul.

Mais informações sobre o Parque: http://www.nahuelhuapi.gov.ar/

Foto 31 – Vista do Lago Nahuel Huapi, em um dos pontos da Avenida Bustillo que margeia este lago.

Porto Pañuelo - Puerto Pañuelo

O Puerto Pañuelo foi construído em 1965 pela Administración Nacional de Parques Nacionales, como parte da infraestrutura turística do parque nacional Nahuel Huapi.

Este Porto serve como ponto de partida para as excursões lacustres que navegam pelo lago Nahuel Huapi e cruza o Chile pelo passo Pérez Rosales – O Cruce Andino. Existem várias opções de passeios a partir deste Porto, com destaque para  os destinos: isla Victoria, o bosque de Arrayanes na península de Quetrihue, e ao Puerto Blest, lago Frías e a cascata Cántaros.


CENTRO CÍVICO E ENTORNO

O Centro Cívico de Bariloche, situado no coração da cidade, foi considerado Monumento Histórico Nacional em 1987.

Foto 32 – Vista do belíssimo conjunto edificado no Centro Cívico de Bariloche com Prefeitura a esquerda e a Secretaria de Turismo, a direita.

Construído pela Administração de Parques Nacionais, em 1940, este Centro Cívico tem características arquitetônicas especiais, concebidas em um estilo que se apropria da arquitetura das regiões montanhosas e bosques de Europa e Estados Unidos.

Foto 33 – Vista do Lago Nahuel Huapi, da perspectiva da varanda do Conjunto edificado do Centro Cívico.

A função do Conjunto foi de abrigar e concentrar toda a atividade cívica e social da cidade que se iniciava: a Prefeitura, Correio, Secretaria de Turismo, Policía Provincial, Aduana, Biblioteca, Teatro e o Museu Regional.

A praça Expedicionarios del Desierto que contém o conjunto edificado está delimitada ao norte, pela Avenida Juan Manuel de Rosas, a margem do lago, ao sul pela calle Moreno, a leste pela calle Urquiza e a oeste pela calle Pagano Panozzi.

Foto 34 - O General montado a cavalo no Centro Cívico.

 A estátua do cavaleiro montado a cavalo é do General Julio Argentino Roca, presidente da Argentina e responsável pela rendição dos indígenas na Patagônia.

O prédio da prefeitura de Bariloche se destaca na Torre do Relógio. Quando o relógio marca meio dia e seis horas da noite quatro figuras representativas da Patagônia aparecem: o índio, o missionário, o conquistador e o agricultor.

Foto 35 - Prédio da torre, onde funciona a Prefeitura de Bariloche, no Centro Cívico.

Ao cruzar os arcos do Centro Cívico, a leste, começa a Calle Mitre, principal rua comercial da cidade.


O Cão – Símbolo de Bariloche

O cão da raça São Bernardo virou símbolo de Bariloche. A história deste cão célebre está ligada a da Hospedaria de São Bernardo, fundada (em torno do ano 1000, nos Alpes suíços) por Bernardo de Mentón, com a finalidade de recolher os caminhantes e extraviados na neve. Várias gerações de monges seguiram este exemplo. Hoje esta espécie (de 70 cm de altura e peso de até 90 kg) é um símbolo de força e abnegação e se destaca pela beleza, fidelidade e inteligência.

 
Foto 36 - O cão da raça São Bernardo, virou símbolo de Bariloche e seus donos oferecem fotos com seus animais.
Em Bariloche, os cães se concentram na Praça do Centro Cívico, onde os seus donos se encontram para oferecer, ao turista, fotos com o seu São Bernardo. As lojas da cidade, também vendem “souvenires” relacionados aos cachorros, inclusive no cerro Otto.


Museo de la Patagonia (Centro Cívico)

O Museu da Patagonia foi inaugurado pela direção dos Parques Nacionais,  em 17 de março de 1940, na mesma data que o Centro Cívico de San Carlos de Bariloche, e ocupa a ala leste deste conjunto edificado.

Foto 37 - O Museu da Patagônica no Centro Cívico, conta a história da região e de seu rico patrimônio.

O museu reune uma extensa e rica coleção etnográfica, de ciências naturais e histórica. A exibições, muito interessantes, contam a história local e regional da Patagônia. Imperdível.


Catedral

 Foto 38 – A catedral tem uma imponente arquitetura gótica.


A Catedral (1946), de arquitetura neogótica  está localizada em um parque. Alejandro Bustillo, o arquiteto criou esta edifícação imponente em pedra e concreto e trabalhou gratuitamente.
  
A escultura da Nossa Señora del Nahuel Huapi reproduz uma imagen que acompanhava o Padre Mascardi em sua missão, estabelecida às bordas do lago, em 1670.

Foto 39 - A escultura de Nossa Señora del Nahuel Huapi, reproduz a imagem de 1670.

Endereço : Av 12 de Outubro com Palacios.

Mais informação em: www.iglesiacatedralbariloche.com


Museo Del Chocolate

Foto 40 - Fachada e mural do Museu do Chocolate, próximo ao Centro.

No quilômetro de número 1 da avenida Bustillo está o mais novo museu de Bariloche e o primeiro desse tipo na América do Sul -  Museo del Chocolate.

O Museu mostra a historia do produto mais viajado do mundo – o chocolate - desde  o descobrimento de América e que tem adoçado mais paladares em todas as culturas.  Conta a historia do chocolate da origem até hoje, no mundo e em Bariloche.

Foto 41 – Exposição no Museu do Chocolate: “Divindade, Poder e Prazer”.

  
Um fato curioso é que entre os povos nativos da América: para os Maias o chocolate era considerado o alimento dos deuses e para os Astecas esta bebida era privilégio dos reis e guerreiros.

Foto 42 – Animais da região são reproduzidos em tamanho natural, em chocolate.

  
OS PRINCIPAIS CERROS DE BARILOCHE

285 Foto 43 - Bandeira tremulando no topo do Cerro Otto,  bem próximo a cidade.

Cerro Otto

O Cerro Otto localiza-se a apenas 5 quilômetros do Centro da cidade.

Foto 44 - Uma das vistas espetaculares no topo do Cerro Otto.

Esta montanha tem uma altitude de 1.400 metros, de onde se aprecia uma fantástica vista da cidade.

Foto 45 - Teleférico no Cerro Otto – Vista 1
Foto 46 - Teleférico no Cerro Otto – Vista 2

Ao chegar a base se sobe por gôndolas panorâmicas (são 42 gôndolas) com capacidade para 4 passageiros até o topo, numa distância de 2.100 metros.

Foto 47 - Na base do Cerro, gôndolas panorâmicas levam você até o topo.

No topo do morro, está um dos maiores atrativos de Bariloche, uma Confeitaria Giratória Panorâmica (Confitería Giratoria), que gira 360º em cerca de 20 minutos.

Foto 48 -  Um dos maiores atrativos de Bariloche, no topo do Cerro Otto, uma Confeitaria Giratória Panorâmica, com vista em 360 graus.

Você pode observar toda a paisagem deslumbrante, no seu interior, tomando um café ou fazendo um lanche. A estrutura da edificação tem um diâmetro de 21 metros e acomoda 250 pessoas sentadas.

Foto 49 - Vista externa da Confeitaria Giratória.
Foto 50 - Vista interna da Confeitaria Giratória.

Mais  informações: www.telefericobariloche.com.ar

Também se encontra no interior do espaço edificado, no topo do cerro, uma Galeria de Arte com réplicas das obras mais importantes de Miguel Angelo Buonarroti: Davi, a Pietá e Moisés.

Foto 51 - Galeria de Arte, com réplicas das mais importantes obras de Miguel Angelo, no topo do cerro Otto.

No local, você pode desenvolver varias atividades ao ar livre, como caminhadas pelo bosques e varias atividades de esportes de inverno, durante o inverno.

Foto 52 - Painel com indicação de atividades no Cerro Otto.

Como chegar: Existe ônibus e quiosque de tickets no centro da cidade que leva até o teleférico no Km 5 da Avenida Los Pioneros.

O complexo de Piedras Brancas está localizado em Cerro Otto e oferece uma infraestrutura projetada para esportes de neve. Ver mais: www.piedrasblancasbariloche.com


Cerro Catedral

Você procura: Neve, Sol, Paz, Adrenalina, Diversão, Amigos, Comida?

Foto 53 - Infraestrutura e serviços se localizam na base do Cerro Catedral, um ícone de esportes de inverno na Argentina.
Você pode encontrar tudo isso em Cerro Catedral, um ícone do inverno, a apenas 19 km do centro de Bariloche, a noroeste da cidade. Segundo as informações turísticas repassadas, este Complexo tem mais de 100 quilômetros de pistas e a maior pista de esqui da América Latina.

Foto 54 – Vista do topo e da estação intermediária no Cerro Catedral, com mais de 100 quilômetros de pistas.
Trata-se de um Centro de Esportes de Inverno - o maior do país - com tudo o que o amador e o profissional de esportes na neve, em todos os níveis, esperam encontrar. Este Centro oferece dezenas de alternativas de diversão, relax, aventura e esportes para crianças e adultos.

Foto 55 - Subindo o Cerro Catedral, um Complexo de Inverno em Bariloche.

O empreendimento é propriedade de uma empresa privada a Catedral Alta Patagonia SA. O Cerro Catedral recebe 600 mil visitas por ano e 10 mil pessoas por dia durante o inverno e 2 mil pessoas durante o verão.
 
Foto 56 - Bar no topo do Cerro Catedral. Que tal uma geladíssima “Quilmes”?

Foto 57 - Restaurante no topo do Cerro Catedral – Refúgio Punta Nevada.

Este Complexo, rodeado pelo Parque Nacional Nahuel Huapi, se caracteriza por oferecer, a 2.100 metros sobre o nivel do mar, as melhores paisagens da Patagônia com a maior e melhor infraestrutura de serviços invernais de todo o país.

 
Foto 58 - Interior do Refúgio Punta Nevada, no Cerro Catedral.


Foto 59 - Desfrutando a paisagem, bem aquecido, em Cerro Catedral.

Como chegar? Para conhecer, pegar o ônibus Catedral que passa pelo Centro Cívico ou contratar os serviços da empresa que faz o serviço completo.

Foto 60 - Descendo o Cerro Catedral .



Cerro Campanário

Foto 61 – Subindo o Cerro Campanário, para desfrutar de uma das oito paisagens mais impactantes do Mundo, segundo a National Geographic.

Segundo a mundialmente famosa National Geographic : ‘Desde o topo podemos observar uma das oito vistas panorâmicas mais impactantes do mundo ‘ ou em espanhol:  “Desde la cumbre podemos observar una de las ocho vistas panorámicas mas impactantes del mundo”.

Foto 62 - Uma vista espetacular que emociona a mais de 1000 metros do nível do mar, no Cerro Campanário.

Para mim foi uma das paisagens mais deslumbrantes que tive o privilégio de conhecer!

O acesso a estação superior se realiza através de teleférico, em cerca de 7 minutos.

Foto 63 - Visitantes desfrutando a paisagem magnífica do topo do Cerro Campanário.

A Confeitaria no topo, a 1050 metros do nível do mar, permite apreciar uma das mais belas e fascinantes vistas da região que inclui os lagos Nahuel Huapi e Perito Moreno, a lagoa El Trébol, as penínsulas San Pedro e Llao Llao, a Isla Victoria, os Cerros Otto, López, Goye, Catedral e Capilla e mais a cidade de Bariloche.

Foto 64 - Um lugar para comungar com a natureza, em Cerro Campanário.


Este Cerro faz parte do Circuito Chico.

Foto 65 – Descendo o Cerro Campanário.

Como chegar ? De ônibus: linha 20. De carro, seguir pela Av. Bustillo, até o km 17.5.


Parque municipal Llao Llao

O Parque está situado na península de natureza privilegiada, zona do Parque Nahuel Huapi. A área tem como principais atrativos: Bosques, Cerro Lopez, Capilla San Eduardo e o grandioso hotel Llao Llao. Este Parque fica a cerca de 30 km do Centro de Bariloche.

Como chegar:  Acesso pela Ruta 237, margeando o lago, de ônibus nº 20 pela Av. Bustillo, ou ônibus nº 50, pela Av. Pioneiros.

Foto 66 - Parque Municipal Lla Llao e o Hotel Llao Llao, um resort de luxo construído no início do século passado.

Hotel Llao LLao

Este hotel é um dos maiores atrativos da Região. Trata-se de um resort de luxo, construído no início do século, que está localizado dentro do Parque Nacional Nahuel Huapi, rodeado de lagos cristalinos, montanhas imponentes e bosques encantadores. De suas instalações podem ser apreciados os cerros López, Capilla e el Tronador.

A projeto é do arquiteto Alejandro Bustillo, semelhante ao estilo canadense que utilizou madeira, pedra e telhas normandas, com muitos balcões, terraços e janelas para apreciar a magnífica paisagem. O hotel foi reformado e reinaugurado em 1993, sob nova administração.

Foto 67 - O Hotel Llao Llao é uma referência famosa em Bariloche e foi construído em estilo canadense.

O nome esquisito vem de um cogumelo nativo (lao llao) que cresce e se adere às árvores da Patagônia.

Este hotel foi votado pelos viajantes, segundo o TripAdvisor, entre os 25 melhores hoteis da Argentina em três categorias : melhor hotel, melhor hotel de luxo e melhor hotel dinâmico em 26 de janeiro de 2015.

O Llao Llao faz parte do Circuito Chico.

 Foto 68 - O resort está localizado em uma área de grande beleza cênica.

Mais informação: www.llaollao.com.ar


Capilla San Eduardo

Esta Capela foi construída em 1938, em estilo montanhês com características do neogótico. O projeto foi do arquiteto Alejandro Bustillo.

Esta pequena capela fica na zona Llao Llao,  dentro do parque nacional Nahuel Huapi.  Está implantada numa suave elevação a cerca de 300 metros do hotel Llao Llao e de Puerto Pañuelo.  Este atrativo religioso se destaca por suas características e belezas naturais do entorno, o que o torna uma das construções mais visitadas da cidade.

Foto 69 - Capela San Eduardo foi projetada em estilo montanhês, com características do estilo neogótico.

Em 1973, a capela capela foi adornada com um friso doado pelo pintor Raúl Soldi denominado "Retablo". O friso ilustra cenas da vida de São Eduardo "el Confesor",  o último dos reis anglosaxônicos antes da conquista normanda.

A capela faz parte do Circuito Chico.

Mais informação: www.parroquiasaneduardo.com

Foto 70 - Esta singela capela de San Eduardo é um dos atrativos mais visitados de Bariloche.


Colonia Suiza

A colônia é o primeiro assentamento europeu declarado patrimônio histórico de Bariloche.

A Colonia Suiza mantem as características rurais do asentamento de montanha, conservando os testemunhos da origem, dos finais do século 19. O Centro da Colônia se estende pela calle Felix Goye, e conserva o canal que alimentava a serraria Goye Hnos. & Fant.

Todas as quartas e domingos você pode experimentar uma comida comida típica introduzida por Emílio Goye, um dos primeiros colonos – o CURANTO.  Este prato consiste em uma mistura de carnes e vegetais cozidos em pedras quentes. A sua preparação envolve toda um ritual. Não experimentei, mas já está programado para a minha próxima visita a Bariloche.

Mais informação sobre o curanto: http://curantovictorgoye.com.ar/

Como chegar? De ônibus, número 10 de Empresa Santa Fé (antiga Tres de Mayo). Verificar no Centro de Informações os horários. A colônia fica a 25 quilômetros do centro.


9 MEUS FAVORITOS

Feira de Artesanato: Praça na Esquina das ruas Villegas e Moreno.
Prato: Truta, no restaurante Familia Weiss
Rua: Mitre (pela diversidade e qualidade dos produtos).
Praça/Conjunto edificado: Centro Cívico
Museu: Museo da Patagônia (pelo acervo e modo de contar a história da Patagônia)
Cerro: Cerro Campanário (pelas vistas fantásticas).
Chocolate: Todos, mas prefiro os recheados e com maior percentual de cacau.
Sorvete: Abuela Goye (pelas variedades dos sorvetes de leite).
Paisagem: Cerro Campanário                                                .
Confeitaria: Confiteria Giratória no Cerro Otto (a paisagem muda, sem você sair do lugar, como em uma cena de filme, mas é real).
Teleférico: Cerro Otto.


10 CONCLUSÃO


Esta foi a última postagem, de uma série de quatro, que incluiu um roteiro pelo Chile e Argentina. Esta viagem começou em Santiago do Chile, passou pelo Deserto do Atacama, continuou em Valparaíso e Vina del Mar, foi até a Patagônia Chilena (Puerto Varas, Frutillar), atravessou os Andes (Circuito Andino) e terminou aqui em Bariloche, Argentina.

Este é um roteiro cativante que permite conhecer diferentes realidades e paisagens culturais fantásticas.

Bariloche é um destino de excelência para receber o turista que ama a neve e a natureza (lagos e montanhas) e pretende praticar atividades nesses lugares.


Até a próxima viagem!

Um comentário: